reginaA partir do momento em que passou a participar da construção da segunda etapa da Escola de Agricultura Natural Mokiti Okada, venceu o sofrimento da pobreza e hoje trilha o caminho da prosperidade.

Sou membro e dedico na área do Saguestu. Conheci a Igreja Messiânica Mundial de Angola no dia 23 de Dezembro de 2003 por intermédio do meu irmão, também membro. Antes de frequentá-la eu sofria com doenças, dificuldades financeiras, conflitos e assaltos constantes. Nessa época, o meu marido não trabalhava e eu vendia no mercado informal. O dinheiro que ganhava não chegava para sustentar a família, muito menos para custear uma viagem para visitar os familiares na província. Além disso, convivíamos com outro problema sério: sempre que comprávamos um electrodoméstico éramos assaltados e os gatunos o levavam.

Compadecido com esse sofrimento, o meu irmão encaminhou-me à Igreja Messiânica, onde fui orientada a: receber 10 Johrei por dia; dedicar na limpeza do banheiro; peregrinar aos locais de maior Luz, designadamente à Sede Central de África, ao Polo de Agricultura Natural de Bom Jesus e, mais tarde, ao Solo Sagrado de Cacuaco; assitir aos Cultos e fazer o Auto-Exame da Fé. Cumpri-as sem nenhuma dificuldade e, com apenas um mês de recebimento de Johrei, os problemas de saúde e alguns conflitos desapareceram. Também o meu marido conseguiu um emprego, mas, como o seu salário era baixo, a dificuldade financeira persistiu.

Apesar disso, reconheço ter notado algumas mudanças, o que me levou a tomar a decisão de me tornar membro, para melhor servir à Obra Divina com o recebimento do Ohikari.

Passados quatro anos, o meu sobrinho convidou-me a fazer uma dedicação de limpeza no seu local de trabalho. Como a limpeza abarcava uma extensa área e havia muito lixo, a dedicação durou três dias.

Passado algum tempo, o meu sobrinho foi a minha casa levar uma quantia em dinheiro, referente ao trabalho que havia feito. De um momento para o outro me chateei com ele, dizendo que desejava trabalhar em tempo integral e não como trabalhadora em regime ocasional apenas. Nessa época ainda não vigorava a directriz sobre limpeza nos locais alheios à Igreja.

Alguns dias depois, ele convidou-me para um emprego numa empresa, para trabalhar como Encarregada de Limpeza. Aceitei o convite prontamente e comecei a trabalhar, contudo, o salário era tão baixo que me deixava desmotivada.

Fui pedir orientação ao Responsável da Unidade Religiosa que, por sua vez, me orientou a praticar o dízimo correctamente. Cumpri com a orientação e, para a minha alegria, no sexto mês, o meu salário sofreu um aumento e também fui transferida para outro posto de trabalho, com os salários ajustados à nova ocupação, direito a um subsídio de alimentação e transporte.

No mês de Novembro de 2013, no Culto de Gratidão do Johrei Center Rocha Pinto, o Ministro e Coordenador falou sobre o donativo de construção da segunda etapa da Escola de Agricultura Natural Mokiti Okada. Lembrei-me, então, que havia assumido um compromisso de participar da construção da referida escola.

Peguei no valor que estava a juntar para a compra de um terreno, fiz o donativo de construção e recebi a imagem de Kanon.

Após uma semana, o meu marido, que havia deixado de dedicar na Igreja Messiânica há nove anos, voltou às suas dedicações.

Na empresa, ajudei um cliente a recuperar a diferença do valor depositado a mais na compra de uma mercadoria e, como gratidão, ele ofereceu-me uma quantia bastante significativa. Vendo que o valor era de facto bastante considerável e que eu nunca havia recebido antes uma soma de dinheiro tão grande, reparti-a com o meu colega.

Como resultado, redobrei em cerca de catorze vezes o valor inicialmente proposto por mim, para doação na construção da escola agrícola. Desse modo, materializei o dízimo e o donativo de construção para agradecer a tamanha graça. A empresa deu-nos também o décimo terceiro mês e o subsídio de Natal, coisa que não acontecia há três anos. Assim, aprendi que quando fazemos o esforço máximo sem segundas intenções, Deus concede-nos graças inesperadas. Comprometo-me em peregrinar ao Solo Sagrado de Guarapiranga, no Brasil e já materializei o respectivo donativo.

Por permissão do Supremo Deus e do Messias Meishu-Sama, encaminhei 50 pessoas, das quais, oito tornaram-se membros. Tenho uma horta-caseira, cuido de duas casas de frequentadores, faço o dízimo correctamente, assim como o donativo de construção e o donativo diário.

Agradeço ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus Antepassados, pela permissão de conhecer este maravilhoso caminho da salvação.

Muito obrigada.