justinaChamo-me Justina de Sousa Fernando Mateus e tenho 50 anos de idade. Resido no bairro São Pedro da Barra, sou membro e dedico como assistente do Grupo Lua no Johrei Center Ngola Kiluange.

Conheci a Igreja Messiânica Mundial em 2005, por intermédio do meu esposo Felix Manuel Mateus, membro desta igreja.

Os motivos que me levaram a conhecer a Igreja foram doença, conflitos familiares e pobreza. Para solucionar esse sofrimento, fiz várias consultas médicas e tratamentos tradicionais e procurei até kimbandas, onde gastei grandes somas em dinheiro, mas não obtive resultados. Foi nesse quadro de sofrimento que meu esposo me encaminhou a esta igreja, onde fui recebida pelo plantonista, que após ter ouvido o meu relato me orientou a receber 10 Johrei por dia, manter a flor de luz em casa, dedicar na nave e no banheiro e peregrinar aos locais de maior luz.

Recebi essas orientações com gratidão, cumprindo-as sem vacilar durante uma semana, e o sofrimento que eu estava a passar foi superado completamente. Como gratidão, no dia 29 de Maio de 2011, tornei-me membro para melhor servir à Obra Divina.

A experiência de fé que passo a relatar relaciona-se à prática de donativo de gratidão para a segunda etapa de construção da escola agrícola, e à orientação de Kyoshu-Sama.

No mês de abril desse ano, meu esposo estava a purificar com hipertensão arterial e dilatação do coração, o que o obrigou a ser internado e posteriormente operado. Um dos médicos me chamou para assinar o termo de responsabilidade sobre a operação e assim o fiz, recebendo a orientação de conseguir cinco doadores de sangue. Uma semana depois, consegui os doadores e levei-os ao hospital, mas o exame foi negativo, o que me obrigou a contratar outros cinco doadores.

Após ter efetuado o pagamento, lembrei-me de comunicar ao responsável da unidade, que me orientou a fazer o esforço máximo de donativo de gratidão para a segunda etapa de construção da escola agrícola. Fomos ao altar e juntos fizemos três vezes a prática da orientação do quarto líder espiritual, que diz: “Juntos, vamos retornar ao nosso paraíso interior como pessoas ligadas a Meishu-Sama”.

No mesmo dia, fui para o hospital e recebi o comunicado de que o meu esposo já não precisaria ser operado, porque apresentava uma boa recuperação. Os médicos, admirados, perguntaram-me a que igreja eu pertencia, e respondi que pertenço à Igreja Messiânica Mundial. Os médicos aconselharam-me a continuar na igreja.

Além disso, no mesmo dia em que meu esposo recebeu alta, minhas duas filhas conseguiram emprego.

Com essa experiência de fé, aprendi que quando colocamos em prática as orientações de nosso superior, o nosso pedido é respondido pelo Supremo Deus. Além disso, compreendi que o donativo de gratidão representa uma corda de salvação aos nossos antepassados.

Faço donativo de gratidão e já encaminhei 30 pessoas, das quais duas são membros. Tenho a horta caseira, faço reflexão profunda e cuido de duas casas de membros.

Meu compromisso é me aprofundar na diretriz do momento, ministrar 10 Johrei por dia, distribuir 100 flores de luz e implementar uma horta caseira por dia, nascendo de novo como pessoa ligada a Meishu-Sama.

Agradeço a Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados a permissão de conhecer este maravilhoso caminho de salvação.

Aos ministros, responsáveis, membros e frequentadores, e a todos que me escutaram, o meu muito obrigado.