fotoChamome Venância Afonso Mbaca, tenho 45 anos de idade e resido no bairro do Bom Pastor.

Conheci a Igreja Messiânica Mundial de Angola no dia 3 de Abril de 2010, por intermédio de minha irmã, que é membro e dedicante.

Os motivos que me levaram a conhecer a igreja foram doença e conflitos familiares. Meu coração era maior que a caixa, tinha cancro nos seios, dores de estômago, febre tifoide e mortes constantes dos meus filhos.

Para solucionar esses problemas, procuramos hospitais, casas de quimbandas totalizando 24, e não tive solução.

Foi quando a minha filha trouxe-me uma flor que foi oferecida na porta da igreja. Quando ela foi encaminhada para orar, após a oração não pôs o nome dela, mas colocou o da tia dela, que é a minha irmã.

À noite, tive uma revelação da minha mãe, que dizia que eles estavam sem força para poder me proteger, porque minha vida era ir aos quimbandas. No dia seguinte, fui para Luanda e fui ao Johrei Center, onde tive a permissão de ser recebida pelo plantonista que, após ouvir-me, orientou-me o seguinte:

  • Receber 10 Johrei por dia;
  • Manter a flor de luz em casa;
  • Assistir às aulas de frequentador;
  • Peregrinar aos locais de maior luz;
  • Dedicar na limpeza da nave;
  • Assistir aos cultos;
  • Ler os ensinamentos de Meishu-Sama.

Cumpri com as orientações sem dificuldades, e no prazo de 15 dias todos os problemas que duraram 24 anos, passaram.

Para agradecer as graças recebidas, tornei-me membro para melhor servir na Obra Divina.

A Experiência de Fé que passo a relatar para os senhores está relacionada com a assistência e distribuição de flores no hospital sanatório.

No dia 6 de Fevereiro, comecei a pôr em prática as orientações de distribuição de flores no hospital sanatório, onde tive a permissão de vivenciar vários milagres.

Uma irmã que estava internada no hospital tinha hemorragia interna, barriga inflamada e não conseguia andar. Após ter recebido a flor, colocou-a na barriga e, por causa do seu sofrimento, teve fé naquela flor e o milagre aconteceu. No dia seguinte, começou a expulsar muito sangue, e a barriga começou a desinflamar até ficar vazia. A sua mãe, comovida pelo milagre, disse: “A flor e a oração têm muita força e poder para realizar milagres.” Na mesma semana, a jovem teve alta, o que era difícil de esperar, em função do seu estado de complicação.

Outra jovem que se encontrava no oxigénio em estado crítico, também teve permissão de receber Johrei e a flor. Saiu do estado em que se encontrava e teve alta.

Uma senhora que estava no hospital por causa de uma paciente, pediu a flor, dizendo que acordava sempre cansada e não conseguia vender. Após ter levado a flor em sua casa, sentiu-se bem e o vizinho, admirado, perguntou: “O que está a usar?” Ela disse que ficou muito espantada com a pergunta, sem saber o que dizer. Então, ao contar isso, todos aqueles que não recebiam as flores e nem aceitavam a oração começaram a aceitar com muito prazer.

Com esta experiência, aprendi que devemos levar os problemas das outras pessoas como se fossem nossos, devemos orar sem cessar. Só assim teremos respostas dos nossos problemas.

Comprometo-me a encaminhar outras pessoas à igreja, distribuir o maior número de flores e cuidar das outras pessoas.

Já encaminhei 200 pessoas, das quais 15 são membros. Tenho a horta caseira, faço dízimo e faço donativo de construção.

Agradeço a Deus e a Meishu-Sama, junto com os meus antepassados, pela grande permissão de conhecer este maravilhoso caminho da salvação.

Aos Ministros, responsáveis, membros e frequentadores, em especial aos meus orientadores e à minha irmã, a minha eterna gratidão.

A todos que comigo partilharam a minha experiencia de fé, o meu muito obrigado.

Huambo, Angola, aos 4 de Abril de 2015