Chamo-me Maria Tomé dos Santos, tenho 35 anos de idade e resido em Riba Mato, na cidade de São Tomé, São Tomé e Príncipe.

Conheci a Igreja Messiânica Mundial de São Tomé e Príncipe no dia 31 de Maio de 2015, por intermédio de uma membro dedicante desta igreja.

Os meus problemas eram maus sonhos, insónia, todas as noites a casa ficava muito quente ao ponto de não conseguir dormir, fortes dores de barriga com sensação de algum bicho circulando de um lado para o outro e que me deixava muito fraca.

Além disso, meu marido me abandonou com os filhos. Passávamos muita fome, porque minha mãe não podia ajudar. As crianças choravam muito e eu pedia a Deus para trazer o meu marido de volta e que me mostrasse uma igreja capaz de acabar com os meus sofrimentos.

Para resolver esses problemas, passei em várias igrejas e curandeiros, mas tudo se mantinha. Sempre que telefonava para o meu marido, ele se zangava e pedia para não lhe ligar mais porque não tínhamos mais nada.

Certo dia, um grupo de missionários entrou no quintal de minha mãe a fim de fazerem uma horta caseira. A princípio, ela não aceitou, porque pertencemos à outra congregação religiosa, mas depois da explicação que recebeu acabou aceitando. A irmã Juliana perguntou à minha mãe sobre mim e ela respondeu dizendo que estava de cama havia três dias, com fortes dores de barriga, e a mesma me chamou para receber Johrei. Eu não queria, porque pertencia a outra congregação religiosa e também porque ignorava a Igreja Messiânica e a prática da flor, mas como as dores persistiam, levantei da cama para receber Johrei.

Algumas pessoas me ministravam Johrei juntamente com a oração e Prática de Sonen. Fizeram uma aula da flor comigo e disseram para manter a flor de luz em casa, enquanto os outros faziam horta.

Depois da ministração do Johrei, as dores cessaram, o que me deixou muito curiosa, e me levou a procurar a irmã para agradecer pela oração e pedir que orasse em minha casa, sempre que tivesse tempo.

No segundo dia, fui assistida em minha casa e as dores aceleraram, mas como já estava informada sobre a lei de purificação, não me preocupei. Com o recebimento de Johrei, tudo voltou ao normal. Na mesma noite, tive um sonho com a minha vizinha, suposta feiticeira, em que ela me dizia: “Tomé, você que veio agora quer me matar? Antes de você me matar eu é que vou te matar.” Em seguida, apareceu uma membro que começou a ministrar-lhe Johrei, até que ela caiu. A irmã me pegou nas mãos e me levou para casa, e em seguida despertei.

No dia seguinte, minha vizinha me chamou e perguntou se as dores já tinham passado. Fiquei muito admirada porque não lhe tinha falado das dores que sentia, mas disse-lhe que estava bem graças a Deus. Contei o que sonhei para a irmã que me acompanha e ela me encaminhou para a Igreja. Como já tinha recebido esse convite várias vezes e sempre negava, analisando as mudanças que tive com o recebimento do Johrei, resolvi experimentar.

Fui recebida pelo plantonista que, após me escutar atentamente, me orientou a receber 10 Johrei por dia, manter a flor de luz em casa, assistir aos cultos, fazer limpeza no banheiro e outras práticas. Comecei no mesmo dia, e no dia 7 de Junho tive a permissão de assistir ao culto Mensal de Gratidão no Centro de Aprimoramento em Almerim. Ao chegar em casa, meu marido, que havia me abandonado havia quatro meses, apareceu, pediu-me desculpas, disse que não sabia porque estava a comportar-se assim e perguntou se eu tinha ido ao curandeiro fazer algum remédio para que ele voltasse para casa. Disse-lhe que não, apenas ingressei na Igreja Messiânica. Ele me disse para não deixar a igreja, prometeu um dia conhecê-la e nunca mais voltar a ter esse comportamento.

Agora, a paz e tranquilidade reinam no meu lar, as dores de barriga cessaram, já dormimos bem e estou feliz. Para agradecer às graças recebidas de Deus e do Messias Meishu-Sama, fui orientada a fazer o donativo de primeira graça.

Encaminhei duas das minhas irmãs, tenho a horta caseira, participo no desafio de ministração de Johrei, tenho encaminhado as pessoas para o local de maior luz e participo nas marchas de assistência religiosa.

Aprendi que Meishu-Sama é mesmo o Messias esperado pela humanidade.

Meu compromisso é receber o sagrado Ohikari o mais rápido possível para ajudar as outras pessoas a saírem do sofrimento.

Agradeço a Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados pela permissão que me concederam em participar nessa maravilhosa obra da salvação.

Aos ministros, missionários, membros e frequentadores que comigo partilharam o meu presente relato de fé, o meu muito obrigado.

São Tomé, 7 de Julho de 2015