Chamo-me Arminda Quifuta, tenho 73 anos de idade, sou membro e dedico como Encarregada Sol do Núcleo de Johrei do Kisseque-Bendo, no Município do Puri, Uíge.

Conheci a Igreja Messiânica Mundial de Angola em 1998, por intermédio do meu filho, Ministro desta Igreja a quem tenho profunda gratidão. Os motivos que me levaram a conhecer este maravilhoso caminho da salvação foram doenças.

Mesmo sendo crentes de outra religião, eu sofria de tuberculoe e meu esposo ficou demente. Tínhamos muitos conflitos familiares. Na tentativa de nos acudir desse sofrimento, fazíamos várias preces e orações, mas a situação piorava cada vez mais. Em 1998, eu e meu esposo partimos de nosso município para a Província de Luanda de forma a procurar melhores tratamentos na capital. Certo dia, tive um sonho com a minha mãe que já se encontra no Mundo Espiritual a me dizer: “Arminda, eu não tenho casa aqui, durmo fora todos os dias, sinto muito frio e os mosquitos não param de me chatear. Por favor minha filha, me ajude!”  Despertei do sono com muita pena de minha mãe, pois queria tanto ajudar naquela situação. Uma semana depois, recebi a visita do meu filho, e aproveitei a oportunidade para lhe contar o que tinha sonhado. Ele então me explicou detalhadamente o significado daquele sonho, o que me deixou sem palavras, pois na realidade constatei que nenhum dos meus filhos tinha casa própria e, mesmo trabalhando em empresas onde tinham cargos muito elevados, não conseguiam construir ou comprar casas, e os colegas dos meus filhos que tinham cargos menores ou iguais no serviço, tinham casas e carros. Perguntei ao meu filho se eu poderia fazer alguma coisa para ajudar a minha mãe e ele confirmou que bastava dedicar-se na Igreja Messiânica que a situação teria solução.

Tendo em conta que minha mãe, eu, meu esposo e todos os familiares eram membros fervorosos de outra Igreja, naquele momento rejeitei. Pouco tempo depois, fomos expulsos da casa de renda em que vivíamos. Vendo a situação a agravar-se cada vez mais e com tanta emoção em querer ver a minha mãe feliz, dormindo numa casa sem frio e sem mosquitos, eu e meu esposo resolvemos conhecer a Igreja Messiânica. Na altura, fomos encaminhados ao então Núcleo de Johrei do Morro da Luz, onde o plantonista nos orientou o seguinte:

  • Receber 10 Johrei por dia;
  • Manter a flor de Luz em casa;
  • Assistir aos cultos matinais e vesperais;
  • Fazer o autoexame da fé;
  • Encaminhar pessoas à fé;
  • Dedicar na limpeza;
  • Fazer donativos.

Cumprimos as orientações com algumas dificuldades, pois na altura estávamos muito debilitados e mal conseguíamos caminhar. Apesar disso, fazíamos o esforço em todos os dias participar das dedicações e do recebimento do Johrei. Foi assim que paulatinamente todos os nossos sofrimentos dia após dia estavam a se amenizar. Um mês depois, eu e meu esposo estávamos sãos e salvos, agradecemos pelos milagres vividos e fomos outorgados para retribuir as graças recebidas.

Algum tempo depois, meu esposo foi levado pelos nossos filhos que professavam outra religião. Lá queimaram o seu Ohikari e passou a professar novamente na nossa antiga Igreja. Dias depois, começou a inflamar todo corpo e ficou completamente demente. Foi assim que buscamos orientação superior e fomos orientados a fazer o donativo de esforço máximo, de forma a saldar as dívidas mais profundas dos nossos Ancestrais e Antepassados, e foi-nos explicado que aquele sofrimento era manifestação dos seus Antepassados que partiram para o Mundo Espiritual com a mesma doença e necessitavam ser salvos. Ainda fizemos o Sorei-Saishi, assentando dois espíritos dos Antepassados que faleceram com a mesma doença, e dias depois meu esposo ficou completamente curado da demência, o que nos fortaleceu ainda mais para o cumprimento da nossa missão. Nessa fase, meus filhos construíram as suas próprias casas, o que me fez acreditar que a minha mãe já dorme numa casa com algumas condições favoráveis pelo que os resultados se manifestaram nos descendentes.

Assim sendo, assumimos o compromisso de fazer difusão pioneira no Município do Puri, trazendo o Messias Meishu-Sama para este bairro do Kuisseque-Bendo, onde nascemos, para a vida de todos os nossos familiares, vizinhos e moradores que estão em busca de salvação.

O início não foi fácil. Passamos a orar e dedicar bastante, mas encontramos várias dificuldades, pois as pessoas no acto da oração atiravam pedras no teto da nossa casa e fomos notificados pelas autoridades do Município, que até fizeram um inquérito no bairro para saber se se tratava de uma nova religião. Vieram até a nossa casa, questionando-nos bastante, pelo que oferecemos o livro “Ponto de Vista Messiânico”, a fim de buscarem mais esclarecimento. Passaram a ler o livro e foram descobrindo mais sobre a nossa Igreja, e confirmaram que a nossa Igreja existe no nosso País e está legalizada, pelo que tem autorização para estar em qualquer Província. De realçar que as autoridades agradeceram pelo facto da nossa Igreja estar neste Município, entregamos o documento da Igreja que se encontrava em nossa posse e estávamos completamente autorizados a realizar nossas actividades religiosas.

Foi assim que começamos a bater de porta a porta nas casas das pessoas, falando do Messias Meishu-Sama, e ministrávamos Johrei mesmo quando a pessoa era céptica.

Durante 10 anos das nossas dedicações, tivemos a permissão de outorgar um total de 33 pessoas e encaminhar mais de 50 pessoas a Igreja, e hoje alguns já se tornaram Missionários.

São vários milagres que venho vivenciando tanto na família como nas pessoas que fomos acompanhando ao longo desses anos, e a seguir passo a relatar o resultado.

Um dos membros da nossa Igreja, após ter solucionado o sofrimento que lhe assolava há vários anos, quando ingressou na Igreja Messiânica sua esposa não aceitava receber Johrei, pois estava presa às suas crenças, o que impedia este senhor de se empenhar activamente na Obra Divina. Assim sendo, sua filha mais nova passou a sofrer de inflamação na perna, foi submetida a vários tratamentos nos hospitais, mas não houve melhorias. A inflamação foi se alastrando e criou uma ferida crónica. Desenganado pelos médicos, estes diziam que a única forma de dar solução a esta situação era amputar a perna. A mãe, desesperada, disse ao seu esposo: “Se sua filha curar com o Johrei, também se tornará membro da vossa Igreja, então eu também vou acreditar que Meishu-Sama é realmente o Messias esperado pela humanidade!”. Este membro foi orientado a não se preocupar com o problema, porque era purificação, manter a gratidão ao Supremo Deus e se preocupar com a salvação das outras pessoas, ministrando Johrei e fazendo encaminhamento. Depois de duas semanas de assistência constante de Johrei pelos membros, a perna da menina começou a desinflamar e sarou completamente, o que surpreendeu todos os seus familiares e vizinhos. Com esse milagre, esse irmão ganhou mais força espiritual e sua esposa tornou-se membro da nossa Igreja.

Por permissão do Supremo Deus e do Messias Meishu-Sama, encaminhei 63 pessoas, das quais 33 são membros, cuido de 15 casas, sendo 10 de membros e cinco de frequentadores. Pratico o dízimo e o donativo de construção e tenho a horta caseira.

Agradeço ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados pelo despertar da minha missão. Agradeço também aos Ministros, responsáveis, membros e frequentadores pelo empenho em prol da Obra Divina.

A todos que em conjunto partilharam do meu relato de fé, os meus sinceros agradecimentos.

Kisseque Bendo, aos 15 de Julho de 2015