Chamo-me Maria do Carmo Costa Carvalho, sou secretária de profissão, feirante e dedico como encarregada do Grupo Sol do Johrei Center acima Marginal 12, em São Tomé e Príncipe.

Conheci esta instituição religiosa aproximadamente há nove anos, encaminhada por uma membro, por motivos de dificuldade financeira, conflito conjugal e familiar. Segui sem dificuldades as orientações do plantonista de receber 10 Johrei por dia, assistir aos cultos, dedicar no banheiro e na nave e, graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama, tudo se harmonizou.

A experiência de fé que vou partilhar com os senhores está relacionada com a purificação ligada à humilhação e à vergonha.

Os meus familiares fazem todos os meses actividades mensais na residência de cada membro da família, e pouco tempo atrás fui convidada a participar em um domingo. Um dos meus irmãos, no decorrer do almoço, levantou-se e foi em minha direcção dizendo que eu estava ficando pobre porque não paro, fazia da minha casa a igreja e mesmo assim estava ficando cada vez mais pobre e perdendo o rosto de mulher. No decorrer da conversa, fiquei sentada e agradecendo dentro de mim até que o encontro terminou. Depois daquela humilhação toda, fui ao retrato de Meishu-Sama e orei por passar por aquelas humilhações e vergonha, entregando tudo nas mãos de Deus e Meishu-Sama. Dois dias depois, estava no meu local de trabalho reflectindo sobre essa purificação, e apareceu alguém e me disse: “Bom dia, a senhora é a Carmo que era policial?” Respondi que sim. “Conhece a Solange Paquete?” Dei um sorriso e respondi que sim, é minha filha.

A pessoa me disse para lhe acompanhar, e para meu espanto recebi de oferta géneros que comercializo na minha barraca. Exclamei e disse: “O senhor a conhece?” Respondeu que sim, “ela pediu-me que viesse lhe visitar no mercado e ver o que mais precisava”. Cheia de alegria, agradeci e me emocionei, dizendo dentro de mim: “Dias atrás me chamaram de pobre e hoje já tenho algo de comer e de negociar. Supremo Deus e Messias Meishu-Sama, muito obrigado por essa purificação, ela está a servir para me fortalecer, me purificar, para que eu possa nascer de novo. Muito obrigado; por favor, receba a minha gratidão”.

Duas semanas depois, à tarde, de regresso a minha casa meu sobrinho pediu licença e disse: “Carmo, eu vou te apoiar para cercarmos nosso quintal porque somente nós é que estamos aqui nesse meio sem cercado”, ao que lhe respondi que sim. Sábado de manhã demos início, e terminamos no domingo às 17h30min. Ao terminar, fui ao retrato de Meishu-Sama e lhe disse: “Meishu-Sama, muito obrigada, tenho essa chapa já há 12 meses e agora consegui fazer o cercado do meu quintal, mais uma vez muito obrigada”.

Nesta mesma semana, também aconteceram milagres aos frequentadores que eu acompanho. Uma das frequentadoras, depois de arrumar e embelezar a sua casa, recebeu de oferta alguns vestuários, instalação de energia em sua casa, televisor, uma arca, e já começou o donativo de outorga.

A segunda frequentadora que eu acompanho não se relacionava muito bem com o seu marido. Agora, estão em relacionamento mais aprofundado e ganhou uma passagem para o exterior de férias. Ao tomar conhecimento, dirigi-me à sua residência e agradecemos acompanhando de oração com donativo.

Pelas purificações e graças que venho recebendo, agradeci a Deus e ao Messias Meishu-Sama pela grande permissão que me concedera de participar neste maravilhoso caminho de salvação.

O meu compromisso é de peregrinar ao local de maior luz, ser útil na obra da salvação e me esforçar para outorgar um novo membro por mês.

Aos Ministros, missionários, membros e frequentadores, e em particular os elementos da equipa do Sol a qual faço parte, os meus sinceros agradecimentos.

A todos que compartilharam comigo meu relato de fé, o meu muito obrigado.

8 de Agosto de 2015