Templo Messiânico, Solo Sagrado de Atami

4 de fevereiro de 2016

Com profundo respeito e temor a Deus, gostaria de dizer que Aquele que criou cada um de nós é Deus, o Criador. Seu propósito de Criação é fazer com que nasçam filhos que possam herdar Sua própria vida eterna. Para concretizar esse propósito, Deus, antes da Criação, no Paraíso, concebeu os espíritos que se transformariam em todas as coisas do Universo e também concebeu os espíritos que se tornariam seres humanos. Esses espíritos humanos são o que nós chamamos “espíritos divinos”. Deus então concedeu a respiração a todos os espíritos que concebeu; Deus injetou Seu propósito de Criação na respiração. Com Sua respiração, Deus concedeu a nós, espíritos divinos, Sua vida e consciência.

No Paraíso, Deus nos considerava Seus filhos e deu a todos nós o mesmo nome: “Messias”. Portanto, a posição de Messias não foi preparada exclusivamente para alguém especial. O nome e a posição de “Messias, um filho de Deus” foram concedidos no Paraíso a todos nós, sem exceção, antes de nascermos na Terra.

No processo de Criação do Universo, Deus primeiramente enviou todas as coisas à Terra e, por último, enviou os seres humanos, concedendo a cada um de nós a consciência de si próprio. O fato de os seres humanos terem adquirido a noção de si próprio – a percepção do “eu” – não é o resultado final nem o propósito da Criação de Deus; Seu objetivo é tornar todos nós, seres humanos, Seus filhos e conceder-nos Sua vida eterna.

A fim de alcançar esse objetivo, nós, seres humanos na Terra, precisamos retornar ao Paraíso por nossa própria vontade e lembrar aquilo que Deus fez por nós no Paraíso, ou seja, lembrar que Ele nos concedeu Sua respiração, vida, consciência e alma, e nos deu o nome de Messias.

Antes de nascermos na Terra, Deus concedeu Sua vida eterna a todos nós. Naquela época, nós não tínhamos a consciência do eu. Como pessoas que hoje têm uma consciência individual de si próprio, precisamos por livre e espontânea vontade retornar ao Paraíso e receber a vida eterna de Deus, mais uma vez, tendo um novo nascimento.

Precisamos nascer de novo e alcançar a posição de “Messias, um filho de Deus” – a posição que Deus nos conferiu no Paraíso, antes de nascermos na Terra. É desta forma que poderemos cumprir o propósito de Deus e viver eternamente.

Hoje, Deus já cumpriu Seu propósito de Criação em Meishu-Sama. Meishu-Sama conseguiu alcançar a posição de “Messias, um filho de Deus”.

Assim como nós, Meishu-Sama foi enviado à Terra. No decorrer de sua vida, MeishuSama ganhou a convicção de que Deus e o Paraíso existiam dentro de si. Por vontade própria, ele decidiu retornar ao Paraíso interior com toda a humanidade e todas as coisas, recebeu a vida eterna de Deus “mais uma vez” e “teve um novo nascimento”. Ele a recebeu e com ela preencheu cada célula de seu corpo. Assim, Meishu-Sama cumpriu o propósito de Criação de Deus e alcançou a posição de “Messias, um filho de Deus”.

Fazer com que Meishu-Sama nascesse foi uma alegria e glória indescritíveis para Deus. Todas as criações de Deus, em todo o Universo, estão agora preenchidas com essa imensa alegria de Deus. Cada um de nós também está preenchido com essa alegria, assim como todas as células do nosso corpo.

Em junho de 1954, Meishu-Sama declarou abertamente que “um Messias havia nascido” e que ele próprio havia “nascido de novo”. Acredito que, através dessa declaração, Meishu-Sama queria que percebêssemos que a alegria de Deus existe no âmago de cada um de nós.

Para nós, fiéis de Meishu-Sama, ele é o nosso modelo. Deus nos enviou Meishu-Sama para que cada um de nós também possa cumprir o propósito da Criação de Deus e alcançar a posição de “Messias, um filho de Deus”. Como membro da Igreja Messiânica, se você deseja nascer de novo como um filho de Deus, terá que reconhecer e dizer: “Meishu-Sama, que nasceu de novo como ‘Messias, um filho de Deus’, existe no centro da minha consciência. Eu agora retornarei ao Paraíso com todas as pessoas e todas as coisas”.

Até pouco tempo atrás, eu não dava importância ao poder da mente ou ao poder do pensamento simplesmente por eles serem abstratos e não poderem ser vistos pelos olhos humanos. No entanto, Meishu-Sama nos ensinou repetidas vezes sobre sua importância e sempre nos alertou sobre quão poderosa e ilimitada é sua força. Sabemos, por meio de vários registros da época, que Meishu-Sama ressaltou a importância da mente especialmente após ter sido acometido de um derrame cerebral em abril de 1954. Ele disse várias vezes àqueles que o serviam bem próximo a ele em sua casa: “Os tempos mudaram. Agora é diferente. O Johrei não é tão importante agora. De hoje em diante, temos que usar nossas mentes e o pensamento”.

Por valorizarmos tanto o ato físico de ministrar Johrei, é possível que queiramos ignorar esta observação, ou fingir que Meishu-Sama não a fez. Na realidade, porém, Meishu-Sama disse isto; e lembrem-se: foi há 62 anos que ele afirmou que “os tempos mudaram”. O que aconteceu desde então? O que responderíamos a Meishu-Sama se ele nos perguntasse hoje: “O que você fez ou o que mudou desde 1954?”

Será que viemos pensando seriamente se o uso de nossas mentes, do pensamento, é mais importante que ministrar Johrei? Ainda acreditamos que o ato físico e visível da ministração do Johrei, e não o ato invisível e espiritual de usar nossas mentes, o pensamento, é a mensagem mais importante dos Ensinamentos de Meishu-Sama, não é? Precisamos mudar isso; e precisamos fazê-lo agora.

Nós já estamos 62 anos atrasados em relação a Meishu-Sama. Quanto tempo mais vamos demorar e continuar nos esquivando desta mensagem que Meishu-Sama nos deixou – esta mensagem revolucionária que está sempre evoluindo? Eu quero recuperar esse atraso em relação a Meishu-Sama e aprender o que ele quer que aprendamos como seus fiéis. Se qualquer um dos senhores também quiser reconhecer a verdadeira importância desta observação de Meishu-Sama, estou certo de que ele ficará muito feliz e o ensinará o que ele quis dizer com ela.

Acredito que, através desta observação, feita em 1954, Meishu-Sama quer que entendamos que nossas mentes existem para serem utilizadas por Deus; Deus precisa de nossas mentes para fazer Sua Obra Divina progredir. Temos a sensação de que podemos usar nossas mentes livremente e criar qualquer pensamento que quisermos. Porém, como sempre digo, nossas mentes e emoções também são criações de Deus e existem para serem usadas por Ele. Deus preparou nossas mentes e emoções para que pudesse Se comunicar conosco através delas. Portanto, não podemos encarar de maneira leviana o trabalho de nossas mentes e emoções simplesmente pelo fato de nós e os outros não podermos vê-las. Deus nos observa e sabe tudo o que se passa em nossas mentes; Ele sabe tudo o que sentimos. Ele nos vê e escuta com Seu grande amor e perdão.

Frequentemente dizemos que precisamos agir para criar um Paraíso na Terra ou um mundo melhor. Quando dizemos isso, assumimos que precisamos fazer algo visível e concreto, usando nosso corpo, como, por exemplo, ministrar Johrei para outras pessoas, distribuir flores ou conduzir pessoas à Igreja. Certamente, estas são ações muito importantes. Porém, gostaria que os senhores soubessem que direcionar nossos corações e mentes a Deus e entregar nossos sentimentos e pensamentos a Ele são, por si só, ações importantes que conduzem à construção do Paraíso Terrestre. O coração e mente dos senhores pertencem à Terra, não é ? Portanto, se quiserem participar da construção do Paraíso Terrestre, é preciso que seu coração e mente se tornem um Paraíso, não é? No entanto, nossos corações e mentes estão cheios de falhas, não é verdade? É por isso que precisamos entregar nosso eu interior a Deus e receber Seu sagrado coração e mente; porque Deus, e não nós, é o único Ser que pode construir o Paraíso Terrestre. Portanto, vamos transformar nossa maneira de pensar! Vamos nos distanciar da antiga forma de pensar na qual “ação” refere-se somente a atos visíveis e concretos, nos quais utilizamos nosso corpo. Vamos acreditar que Deus quer que sempre nos centralizemos n’Ele e a Ele entreguemos nossa existência. Isso é por si só uma ação importante; é assim que poderemos servir na nova fase da Obra Divina de Meishu-Sama de forma bem concreta.

“A construção do Paraíso Terrestre” tem um só significado: Seguir os passos do Messias Meishu-Sama, nascer de novo como filhos de Deus e alcançar a posição de Messias. Cada um de nós pode se tornar um Messias enquanto ainda estiver vivendo na Terra, pois esse é o nosso destino. Deus nos deu o nome de “Messias” no Paraíso e agora precisamos, aqui na Terra, satisfazer Sua vontade. Este é o significado da construção do Paraíso Terrestre: Deus está nos construindo para que nos tornemos Seus filhos. Onde Ele faz isso? Ele faz isso dentro de nós. Deus está sempre preparando nosso coração e mente para que nossa consciência não desapareça quando morrermos. Deus quer que nossas consciências durem para sempre e alcancem a vida eterna. É por isso que eu falarei repetidamente: entreguem seu eu interior, seu coração e mente a Deus em nome do Messias Meishu-Sama; entreguem sua vida, consciência e alma a Deus. Assim, Ele poderá prepará-los, educá-los e conduzi-los a obter a vida eterna. É vivendo dessa forma que os senhores poderão participar da construção do Paraíso Terrestre.

Do fundo do meu coração e em nome do Messias, gostaria de louvar a Deus que está acima de todos e em todos. Que Ele nos governe para todo o sempre.

This post is also available in: Inglês