PALESTRA DO PRESIDENTE DA IMMA, MIN. CLAUDIO CRISTIANO LEAL PINHEIRO
Culto Mensal de Gratidão de Janeiro de 2017 na Sede Central de África
8 de Janeiro de 2017

Bom dia a todos!
Feliz Ano Novo a todos os Senhores!
Os senhores estão a passar bem?

(Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama!!)…

Muito obrigado pela vossa presença! Quero agradecer no fundo do coração, pelo esforço sincero que cada um dos senhores tem feito em prol da expansão da Obra Divina em Angola e por  toda África, pelo esforço que juntos desenvolvemos IMG_5293no ano de 2016, e que hoje estamos a agradecer ao Supremo Deus e o Messias Meishu-Sama,  no primeiro culto deste ano, pedindo força e permissão para podemos servir  também neste ano novo de 2017.

É um ano muito importante para nós messiânicos, que vamos ter a permissão de receber pela primeira vez, no continente Africano, a visita do nosso Presidente mundial, Rev. Masayoshi Kobayashi, no próximo mês de Julho. Mas antes de continuar com a palestra, gostaria de apresentar os nossos visitantes. Temos hoje duas caravanas, uma do Brasil e uma de Moçambique. Do Brasil é o responsável da Comunicação da Igreja Messiânica Mundial do Brasil que veio junto com a sua esposa e os seus filhos, Ministro Humberto Matsumura. Por favor!

(Aplausos)…

Bem-vindos à África!  O Ministro Matsumura, é a segunda vez que vem. A família está a vir pela primeira vez.

E também temos o nosso grupo de Moçambique, os Ministros Aly  e Ivone que vieram com os seus filhos e a Coordenadora de Administração da Igreja de Moçambique, a Senhora Ismoênia Machava. Por favor!

(Aplausos)

Gostaria de agradecer em particular, o esforço que todos os senhores fizeram para o culto de Natalício do Messias Meishu-Sama. Nós realizamos aqui na Sede Central, no dia 18 de Dezembro e tivemos a presença de mais de 14 mil participantes. Também foi realizado em toda a África no dia 18 e no dia 23 de Dezembro. Foi uma forma muito boa de encerrarmos o ano, expressando nossa gratidão ao Supremo Deus e ao Messias Meishu-Sama.

Para esse ano de 2017, além da visita do Presidente Kobayashi, nosso maior desafio, nossa principal diretriz, é a construção do nosso Templo Messiânico e do Santuário dos Antepassados, no futuro Solo Sagrado de Cacuaco. É muito importante concluirmos essa construção para podermos  avançar com a construção do Solo Sagrado como um todo. Eu acredito que o caminho para conseguirmos cumprir essa tarefa, começa pela centralização nas saudações de ano novo de Kyoshu-Sama e do Presidente mundial, Rev. Kobayashi. Uma coisa que aprendí com o nosso Presidente Rev. Francisco, é que diretriz é o que o Mundo Espiritual quer que nós pratiquemos. Então, esses últimos dias, com os Ministros, com os Missionários e hoje com os senhores, nós escutamos estas saudações de Ano Novo e vamos buscar ler repetidas vezes, com o objetivo de conseguimos praticar, conseguimos aprofundar nos pontos que Kyoshu-Sama e o Presidente Kobayashi nos orientaram.

Na sua mensagem de ano novo, Kyoshu-Sama disse: «No dia 19 de Abril de 1954, Dez meses antes de falecer, Meishu-Sama sofreu um colapso com sintomas de derrame cerebral. Algumas semanas mais tarde, no dia 5 de Junho, Meishu-Sama disse aos seus seguidores que esse incidente era realmente misterioso, no curso da Obra Divina. E que ele havia renascido como Messias. Dez dias depois, em 15 de junho, Meishu-Sama realizou a Cerimônia Provisória de Celebração do Nascimento de um Messias e demonstrou para nós que um ser humano é capaz de nascer de novo como um filho de Deus, como Messias. Esse Meishu-Sama, que nasceu de novo como Messias está dentro de cada um de nós. Ele está sempre a nos chamar, dizendo: “Imitem-me, sigam os meus passos! Imitem-me, sigam os meus passos!”

Para podermos imitar Meishu-Sama, eu acredito que começa pelo que o Presidente Kobayashi nos orientou: aprofundarmos no pensamento de Meishu-Sama, nas crenças de Meishu-Sama que estão bem claras nos seus ensinamentos.

Na saudação de Ano Novo,  o Presidente Kobayashi nos disse: «Meishu-Sama afirmou que a Igreja Messiânica Mundial é uma Religião pragmática. Por conseguinte, além de nos empenharmos na prática, encontrar, escutar e ministrar johrei, precisamos praticar diariamente tudo aquilo que se fixou em nossa mente através da leitura dos ensinamentos, buscando construir lares repletos de felicidade e prosperidade. A leitura leva à pratica. Esta, por sua vez, origina milagres que são a fonte da gratidão. Certamente, através deste mecanismo, seremos agraciados com a evolução na fé. Desejo que todos consigam praticá-lo, ao longo deste novo ano».

É importante ficar claro para nós esse ponto e também qual é o objetivo final de todas as práticas que desenvolvemos na Igreja Messiânica Mundial. Tem um objetivo final que é cada um de nós nascer de novo como verdadeiro filho de Deus, como um Messias, seguindo o exemplo do que o Messias Meishu-Sama fez. Esse que é o objetivo final de todas  as práticas que desenvolvemos na Igreja Messiânica Mundial.

Falando sobre “nascer de novo”, na própria Bíblia fala-se sobre a importância de nascer de novo. No evangelho de João, capitulo 3, versículo 3,  Jesus disse: «Em verdade vos digo que se alguém não nascer de novo, não poderá ver o Reino de Deus»

Jesus ali já falava da sua missão de preparar a vinda do Messias Meishu-Sama. É muito importante nós entendermos esse ponto porque quando falamos de Religião, Meishu-Sama  não veio substituir nenhum Fundador de outra Religião, nem substituir Jesus na vida dos Cristãos, nem Maomé na vida dos Muçulmanos, ou Buda na vida dos Budistas, ou Simão Toco na vida dos Tocoistas, nem Simão Kimbango na vida dos Kimbanguistas,  porque religião tem um objetivo bem claro: religar as pessoas à Deus. Na verdade, na verdade só existe uma religião. Todas as que surgiram desde o inicio, foram criadas a partir de uma raiz que é o Supremo Deus,  Criador e Doador de toda Vida. Buda chamava-O de Grande Buda, Jesus chamava de Pai do Céu, Maomé chamava de Alá. Nós em África temos vários nomes para nos referirmos  ao Supremo Deus: N´zambi,  Unkulu-Unkulo, etc. Em várias outras línguas, nós temos expressões com que nós nos referimos a Jeová, Criador e Doador de toda vida. O que existiu durante  a Era da Noite, pela escuridão, pelas trevas, pela necessidade dentro do Plano de Deus de desenvolver a parte material, as pessoas discriminavam uma religião ou outra achando que a sua crença é superior, mas todas elas  tem uma raiz única que é o Supremo Deus, Criador  e Doador de toda Vida. E agora chegou a hora de juntos com toda a humanidade,  retornarmos ao nosso paraíso interior, como pessoas ligadas ao Messias Meishu-Sama. Nós messiânicos, temos essa grande missão, como Kyoshu-Sama disse quando leu um poema de Meishu-Sama: “O mundo chegou a um beco sem saída e não tem para onde ir. O que será do mundo sem o aparecimento da Igreja Messiânica Mundial?”  Nós precisamos levar esse evangelho, essa novidade, essa Boa-Nova para o  mundo. Nós precisamos imitar o Messias Meishu-Sama. E o que significa imitar o Messias Meishu-Sama ?

A atuação do Messias se divide em dois aspectos:  Salvação e Construção. O Messias atua através da salvação da humanidade e da construção do paraíso terrestre. Nós agora em África, temos essa grande tarefa da construção  do Templo Messiânico, do Santuário, através da pratica do Donativo. E a tarefa da salvação, como nos ouvimos hoje, na experiência da Irmã Telma. Ela levou as práticas básicas da fé para o seu local de trabalho. Muitas vezes a pessoa usa a desculpa: «Não posso dedicar porque eu trabalho». Graças a Deus tu trabalhas! Então começa onde você trabalha, a levar as práticas  do paraíso. Ela levou a limpeza, levou a flor e levou a agricultura natural. Se nós estudarmos bem a sua experiência de fé, eu acho que o ponto principal para ela ter conseguido começar a expandir  a agricultura e tocar o coração dos superiores e colegas no seu local de trabalho, foi a reflexão que ela fez. Quando ela encontrou a incompreensão dos colegas, primeiro ela julgou e criticou,  se encheu de razão, mas ai ela conseguiu refletir e ver: «Puxa, eles não entendem, eu é que preciso ter mais compreensão do  que eles!» Aquela reflexão dela já foi o arrependimento pela postura materialista que estava vendo a causa em outras pessoas. A  partir do momento em que ela refletiu e mudou seu sonen,  o Mundo Espiritual criou condições para a agricultura se desenvolver no  seu trabalho. Isso é sempre assim, com todos nós. Para o Messias atuar através de cada um de nós, precisa-se ter essa renovação constante da nossa maneira de pensar, principalmente buscar a causa dos problemas dentro de nós. Enquanto acharmos um culpado pelos nossos sofrimentos, nós ainda não estamos a colocar Deus no centro das nossas vidas.

Menosprezar Deus não é dizer «Ah, eu não acredito em Deus!». A maioria fala que acredita em Deus, mas acreditar de verdade e colocá-lo no centro do nosso dia a dia!

Poucas pessoas conseguem fazer isso! Por esse motivo, o sofrimento persiste no dia- a – dia da humanidade. Então gostaria que seguíssemos esses exemplos. Tivemos uma experiência interessante na província de Benguela, também de uma membro. O seu lar estava a se  desfazer. O marido já não apoiava em casa, já ficava fora de casa vários dias e ela foi buscar orientação com o Responsável. «Ah. o meu marido não apoia em nada, já não aparece em casa». E o responsável orientou–lhe a agradecer pela purificação, fazer um donativo de construção do Templo Messiânico, ou seja: deu uma tarefa de construção e orientou-lhe a encaminhar 3 pessoas por dia, na porta do Johrei Center. Ela começou. No primeiro dia encaminhou 3 pessoas, no segundo dia encaminhou 6 pessoas e, cada dia foi aumentado o número de pessoas que ela encaminhava. Nisso, o marido se aproximou, reconciliou-se com ela, começou a ajudá-la no encaminhamento de pessoas também. No final, durante o mês de Dezembro ela encaminhou para a Igreja 83 “1ªVez”, visitou a casa de 5 pessoas. Oito dessas pessoas já estão a frequentar a Igreja e já começaram a receber milagres nos seus lares também. O Responsável deu-lhe duas  tarefas: de construção e de salvação.  Para podermos aprofundar na dor e no sofrimento do nosso próximo. Essa membro, com certeza recebeu graças quando chegou na igreja, mas não tinha entendido ainda qual é o objetivo final das graças recebidas. É de dar-nos condições de podermos  servir. Nós servimos o que amamos e amamos o que servimos. Através do servir é que vamos trilhar este caminho para nascer de novo como verdadeiros filhos de Deus, como Messias.

Kyoshu-Sama, nas suas palavras, falou bem claro sobre o paraíso. «Meishu-Sama nos ensinou que ele iria construir o paraíso na terra, ou,  projetar na terra o paraíso. Quando usamos essas palavras, assumimos automaticamente que há partes da terra onde o paraíso ainda não chegou e que os seres humanos precisam trazer o paraíso ou a luz a essas partes do mundo. Assumimos que a escuridão ainda existe na terra. Assumimos que somente o esforço dos seres humanos pode iluminar o mundo e fazer da terra um lugar melhor. Nós pensamos que esse era o significado de construir o paraíso terrestre. Na realidade, quase todo o mundo pensa desta forma: que precisamos criar um mundo melhor.  Porém, eu gostaria que os senhores soubessem que pensando assim, viemos desonrando Deus porque assumimos que Deus não tem poder, que ele está a dormir e permitir que a escuridão exista na terra sem fazer nada da parte dele. Isso precisa ser corrigido. Estávamos seriamente enganados.

Deus é na verdade, Todo-Poderoso e já iluminou toda a terra. Ele já fez esse mundo um lugar perfeito. O paraíso terrestre já chegou. Ele já foi construído, caso contrário, porquê que Meishu-Sama nos ensinou sobre a teoria da purificação, na qual o amor de Deus existe em coisas aparentemente negativas como doenças? Sim, é verdade que parece haver escuridão no mundo. No entanto, será que não seria o dever dos messiânicos reconhecer que o amor de Deus está presente em toda a escuridão que há neste mundo? Se nós não fizermos isso quem o fará?»

Algumas pessoas me perguntam: «Mas se o paraíso já chegou, como o Kyoshu-Sama está dizer, como é que a gente ainda enfrenta  tanto problema?»

Eu próprio falei agora do conflito na casa de uma membro, não foi?  Com o marido, conflito, problema financeiro. Aí é que entra, nós entendermos a primeira lei da natureza que precisamos aprofundar. É a lei da purificação. Quando encontrarmos doença, pobreza e conflito, ainda nós precisamos ter essa visão de que as máculas estão sendo limpas para que o verdadeiro paraíso possa se projetar, possa se concretizar naquele local.

O que acontece é que mesmo nós messiânicos, quando enfrentamos os problemas, quando surgem as purificações, nós não estamos a colocar muitas vezes, Deus no centro dos problemas que surgem. Por exemplo, vou dar um exemplo para os senhores: os senhores recebem visita em casa? Recebem?

(Sim)…

É bom receber visita?

(Sim)…

É bom né? Mas, por exemplo, quando a visita chega sem avisar e ainda fica um mês, dois meses, três meses, é bom assim?

(Não!!)…

Dessa forma, ficamos chateados,  não é assim?

(Sim!!)…

Os sentimentos são visitantes. Os sentimentos que brotam nos nossos corações, eles são visitantes, mas nós deixamos eles fazerem morada nas nossas casas, dentro de nós. O visitante pode morar na minha casa?

(Não!!)…

Aí ele vira morador não é assim? Os sentimentos que brotam , principalmente na hora da dificuldade, na nossa vida em casa e a nível do nosso Planeta, a nível geral (conflito, guerra, crises financeiras, epidemias, tragédias ambientais); os sentimentos que brotam quando ouvimos essas noticias, quando vemos; os sentimentos que brotam quando enfrentamos problemas dentro da nossa casa (com a esposa, com os esposo, com os filhos, no local de trabalho), esses sentimentos, eles são visitantes. Eles não são para ficar dentro de nós. Nós precisamos encaminhar esses visitantes para Deus, por intermédio do Messias Meishu-Sama. Nós precisamos utilizar as dificuldades, os problemas para quando brotarem os sentimentos que nos fazem sofrer, reconhecer: «Ah, visitante, tu não vais ficar aqui não! Vou te encaminhar para o teu lugar de direito!» Manda o «gajo» para Deus, por intermédio do Messias Meishu-Sama.

Esse treino é que nós precisamos aprofundar para nós participarmos dessa nova fase do Plano Divino. Quando nós não fazemos isso, nós mantemos os  visitantes, tudo guardado. Ai a doença, miséria, conflito, que deviam acabar mais rápido, aquilo se perpetua. Porque nós somos a soma dos nossos antepassados. Os problemas que surgem nas nossas vidas, além de limpar máculas, eles também, através dos sentimentos que brotam de ancestrais e antepassados  da nossa família ? Nossa família não é só quem colocamos no formulário para cultuar. A nossa família é toda humanidade. Nós todos estamos ligados com toda a humanidade. Quando nós começamos a reconhecer isso, encarar que «Ah, esse sentimento que está a me fazer sofrer, está a me doer, por causa deste problema que estou a viver ai, são visitantes que eu preciso encaminhar, devolver para Deus, por intermédio do Messias Meishu-Sama», então eu acredito que junto com essas práticas que nós ouvimos hoje, lendo  e relendo  essas saudações, junto com o estudo diário dos ensinamentos, nós vamos poder ser utilizados pelo Supremo Deus e pelo Messias Meishu-Sama para o nosso trabalho principal de salvação e construção.

Existe  muito sofrimento nos lares. Precisamos levar esta visão de Deus que eu compartilhei com os senhores hoje, para todos os lares de África. Nós precisamos aprofundar no acompanhamento das casas, levando paras as casas as práticas do paraíso. O que já se pratica no paraíso, vamos começar a praticar dentro das nossas casas e dentro das casas que nós estamos acompanhando. Quais são as práticas do paraíso? Limpeza, ordem, claridade, flores, horta caseira, johrei, ensinamento, oração para a felicidade do próximo. Essas práticas são para nós nos lembrarmos do que já fazíamos no paraíso quando fomos criados pelo Supremo Deus.

Mais uma vez muito obrigado.

Feliz 2017 para todos, que o Supremo Deus e o Messias Meishu-Sama continuem a proteger, inspirar, utilizar, e abençoar cada vez mais todos nós, toda nossa família , toda a humanidade! Muito obrigado a todos os senhores!