Chamo-me Cecília dos Sacramentos de Sousa Castro, IMG_5098tenho 55 anos de idade, sou negociante de profissão, membros dedicante do Centro de Aprimoramento  Marginal 12 de Julho e resido em Madre Deus – São Tomé e Príncipe. Conheci a Igreja Messiânica Mundial de São Tomé e Príncipe em Fevereiro de 2007, encaminhada por Isabel Vasconcelos, membro desta igreja. O motivo que esteve na base do meu encaminhamento foi doença. Após entrar em contacto com Johrei e outras práticas básicas, em pouco tempo os sofrimentos que me atormentaram durante anos, desapareceram e como gratidão pela graça recebida, materializei o meu donativo de primeira graça de outorga e tornei-me membro no mesmo ano. A experiência de fé que vou compartilhar com aos senhores está relacionada com donativo de construção dirigida.
Após o lançamento da pedra fundamental para a construção da Sede Central de São Tomé e Príncipe em Palmar, os fiéis receberam a tarefa de participar dessa construção, através do donativo de construção, tendo como teto inicial de USD 400. Ouvindo essa orientação através das palestras e não só, senti que não teria como participar, considerando que não tinha condições financeiras que me permitisse assumir esse compromisso. Com esse sonen, decidi manter fiel ao donativo diário, de construção normal e o dízimo.
O tempo foi passando e mesmo dedicando sempre passava por purificações renitentes, tais como dificuldades nos negócios, conflitos, entre outros casos que me deixavam preocupada. Fui enfrentando tudo, agradecendo com donativo de gratidão pela purificação e continuava a cuidar de casas e participar nas outras dedicações programadas pela unidade. Mas, como sempre que aprofundava nas dedicações a purificação aumentava, tomei a decisão de diminuir as minhas dedicações, porém, a situação mantinha na mesma o que me deixava um tanto a quanto preocupada apesar de não entrar em sofrimento.
Numa segunda-feira, ao sair de casa para mais uma venda no mercado, parte da comida que havia sobrado do dia anterior “domingo”, orientei a minha filha mais nova para colocar a panela de comida no fogão a fim de esquentar a mesma, para não estragar. Infelizmente ela se distraiu, passou o tempo a pesquisar na internet e toda a comida acabou por se estragar deixando os demais membros da família, sem ter com que almoçar. Ao chegar em casa, fui informada do sucedido e assim que o meu marido chegou em casa comuniquei-o do ocorrido e pedi a ele para conversar com a nossa filha, alegando que não estava certo deixar a comida estragar, enquanto os outros procuram-na para comer. Para minha surpresa, ele revoltou-se contra mim, proferindo palavras desagradáveis dizendo que eu devia preparar tudo antes de sair de casa e que a menina não pode ser responsabilizada do que aconteceu. A nossa filha mais velha na tentativa de lhe convencer, ele disse a ela que não gostava dela, pois a sua filha querida é a mais nova. Essa situação criou um mal-estar entre nós, estabeleceu um forte conflito familiar entre eu, o meu marido e minha filha mais velha que foi se alastrando durante aproximadamente 3 meses.
Envolvido nesse conflito, fui passando por situações difíceis de relacionamento no lar, pois tudo que falava e fazia era motivo de confusão e dia após dia recebíamos do meu marido o seguinte: “A única que gosto aqui em casa, é a minha filha cassule”. Para agudizar a situação, o meu negócio de venda no mercado deixou de ser rentável, passei a ter prejuízo e acumular dividas, o que aumentava ainda mais o meu sofrimento. Nessa fase já não conseguia agradecer permanentemente, passei a lamuriar e até pedia a Deus e Meishu-Sama, para tirar esse homem do meu caminho, pois nascia a dúvida com relação a ele, achando que talvez ele não fosse o verdadeiro marido para minha vida, porque achava que não havia motivo para esse comportamento dele e nem porque razão de todo esse conflito que se instalou no nosso lar.
Foi nesse ínterim, que numa noite comecei a sonhar e no sonho fui orientada por meus antepassados a fazer donativo de construção dirigida para a Sede Central. Ao acordar pus-me a reflectir sobre o sonho que tive e cheguei a conclusão que nunca havia feito donativo de construção dirigida para a Sede Central e nunca tinha assumido compromisso algum relativo a essa dedicação, porque achava que não reunia condições financeiras para tal. Após isso, fiquei a pensar como cumprir a orientação, considerando que de momento estava a viver esse conflito no lar e o negócio estava caindo aos poucos e onde iria arranjar dinheiro para fazer donativo no referido valor a que corresponde o montante estipulado, USD 400?
Comuniquei aos meus filhos a situação, salientando o seguinte: ” O único dinheiro que tenho é de quichiquila (empréstimo mensal entre 2 ou mais colegas).” Eles me apoiaram: “Se foi uma mensagem dos antepassados faça!”. Para minha surpresa o meu filho mais velho tornou-se como que um fiscal e passou a controlar a chegada daquele dinheiro nas minhas mãos, perguntando sempre se o dinheiro já tinha chegado. Assim que recebi o dinheiro segunda-feira, o meu filho recomendou-me: “A senhora guarda esse dinheiro direitinho e não tira nem uma dobra sequer dele ouviu!”
Mesmo com uma certa dose de apego, na quarta-feira após o Culto de Elevação Espiritual dos nossos Antepassados, no Centro de Aprimoramento de Almeirim, antes de entrar na marcha de Johrei o meu filho na veste de um fiscal desse compromisso com os meus antepassados, chamou o responsável da unidade e lhe comunicou dizendo: “A minha mãe quer fazer o donativo de construção, e tem que ser agora, já não pode esperar, e assim fiz a primeira parte do donativo a que me propus fazer.
Após fazer esse donativo, milagrosamente o conflito cessou por completo, o negócio começou a melhorar e na medida que vendia, tirava 20 mil, a 30 mil dobras diariamente, guardava e no final de cada mês materializava parte do donativo de construção e assim que recebia outra  quichiquila, também fazia o mesmo. Na mesma noite que materializei o donativo com valor recebido de quichiquila, sonhei com o avô paterno do meu filho que serviu de fiscal, agradecendo-me pelo donativo que fiz, dizendo que também recebeu um bocado dessa luz, que enviei para os meus antepassados.
Como a minha filha é dedicante do Sanguetsu, ganhei a permissão de receber em minha casa uma equipa do Sanguetsu, que oraram e fizeram uma limpeza profunda em casa.
Continuando a cumprir com o meu compromisso de materializar os donativos de construção da Sede Central, ganhei a permissão de concluir o donativo e até ultrapassar o montante equivalente a USD 400 da meta estabelecida e fui agraciada com oferta de uma imagem de Kannon no Culto de Natalício do Messias Meishu-Sama, no dia 23 de Dezembro de 2015, na nossa futura Sede Central do Palmar.
O meu marido me pediu desculpas e para esquecermos tudo o que aconteceu. O meu negócio começou a melhorar e passei a ter prosperidade nesse campo.
O conflito desapareceu do meu lar, actualmente reina a paz e concórdia em casa, o meu marido melhorou, tornou-se uma nova pessoa que nunca havia conhecido de tão atencioso e carinhoso, que muitas vezes sinto arrepio de ter desejado que ele saísse da minha vida.
Fui agraciada com melhorias no meu quintal e reabilitação da minha casa que se encontra em fase avançada. O que posso dizer, do fundo do meu coração é que a minha vida está a dar uma volta de  180°, pois a casa está sendo transformada em nova, com figurino de uma casa mista, ou seja, rés-do-chão de muro e primeiro piso de madeira.
O meu marido que antes implicava com a frequência da nossa filha mais velha nas actividades da Igreja Messiânica passou a dar-lhe apoio na sua dedicação no Sanguetsu, na qual dedica como Assistente da Professora do Sanguetsu de São Tomé e Príncipe. Ele no seu local de trabalho foi agraciado com mudança de categoria.
Cuido de 3 casas, uma de frequentador e duas de pessoas assistidas, tenho a horta caseira, pratico os meus donativos regularmente e participo nas dedicações programadas.
Com isso, pude aprender que quando estamos a passar por conflitos na família o donativo de construção é que liberta.
O meu compromisso é de continuar com o donativo de construção, isto é a segunda etapa e aprofundar em cuidar de casas através da rede de salvação, da qual faço parte.
Agradeço a Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados por essa permissão que me concederam em participar dessa maravilhosa Obra Divina de Salvação da Humanidade.
A todos o meu mais sincero agradecimento.

Muito obrigada!

São Tomé, 31 de Março de 2017