Mensagem de Ano Novo

Kyoshu-Sama

1° de Janeiro de 2017

IMG_5464

Envolto no amor e graça de Deus, a Ele agradeço por estarmos iniciando mais um glorioso ano como Seus humildes servidores. Com todos os senhores, fiéis do mundo inteiro, gostaria de externar a Deus, e a Meishu-Sama que está junto a Ele, meus mais sinceros votos de um feliz ano novo.
Feliz Ano Novo!
Com profundo respeito e temor a Deus, eu digo que dentro de cada um de nós existe a Consciência que é a fonte de todas as coisas. Essa é a Consciência de Deus, o Criador, é a Sua vida eterna. Ela nos preenche e preenche toda a criação. Nada existe ou é criado sem ela. Meishu-Sama reconheceu essa Consciência como Deus.
O propósito de Deus na Criação é fazer com que nasçam Seus filhos, tornando-se um Pai. Para isso, Deus, que está em nosso interior, preparou o Paraíso antes de iniciar o trabalho de criação de todo o universo. Após preparar o Paraíso, nele Deus concebeu os espíritos que se tornariam todas as coisas no universo e, também, os espíritos divinos que mais tarde se tornariam seres humanos. Foi nessa época que Deus gravou o nome Messias profundamente no espírito divino de cada um de nós; na alma de cada um de nós.
Deus então prosseguiu com a criação de todo o universo enviando, do Seu Paraíso, Seus espíritos de todas as coisas para que formassem o mundo visível. Esses espíritos foram criados para evoluir, tornando-se receptáculos capazes de receber um espírito divino e transformarem-se em seres humanos. Quando esse processo de criação alcançou sua maturidade, Deus decidiu enviar Seus espíritos divinos à Terra e inseri-los nesses receptáculos criando, assim, os seres humanos, cada qual com seu próprio senso de individualidade.
Por que nos tornamos seres humanos, tendo cada um o seu próprio senso de individualidade? Por que precisamos tomar a decisão consciente, por livre e espontânea vontade, de retornar ao Paraíso – nosso verdadeiro lar – e reconhecer que Deus é o nosso verdadeiro Pai. Deus quer receber cada um de nós em Seu Paraíso e quer que nasçamos de novo como Seus próprios filhos – Messias. Deus quer que O sirvamos no Paraíso e que herdemos, como Seus filhos, a Sua Obra Divina. Esse é o significado da Criação de Deus, e nós precisamos saber que Ele já concluiu todo o Seu trabalho de Criação no Paraíso. Ele já concluiu tudo.
Nós viemos ignorando esse Deus que está em nosso interior e que já concluiu tudo por nós. Nós não O levamos a sério, O desobedecemos, furtamos Sua Consciência e a usamos como se
fosse nossa. Nós a usamos no passado e ainda a usamos hoje para nosso próprio benefício como um critério conveniente para julgar o que é bem ou mal.
Portanto, nós pecamos contra Deus. Porém, com Seu amor e graça, Deus nos trouxe a salvação e nos perdoou porque Ele quer receber-nos em Seu Paraíso como Seus próprios filhos. O amor de Deus está dentro de nós. Seu perdão está dentro de nós. O nome Messias está gravado em nosso interior. Agora Deus está nos criando e educando para que possamos nascer de novo como Seus filhos. Jamais podemos esquecer que somos salvos e perdoados somente através do nome Messias. Vamos nos lembrar dessa verdade, nos arrepender e aceitar o nome
Messias que já está escrito em cada uma de nossas almas.
É Deus, e não nós, quem precisa do nome Messias. Deus precisa dele para nos perdoar,
nos acolher de volta em Seu Paraíso e Se tornar nosso Pai. Por isso o nome Messias é importante para nós – porque, acima de tudo, ele é importante para Deus.
Meishu-Sama atribuiu grande importância ao nome Messias. Inicialmente, em 1935, quando fundou nossa religião, Meishu-Sama incluiu o nome Kannon no nome da organização, Associação Kannon do Japão. Em 1950, Meishu-Sama mudou o nome da organização para Igreja Messiânica Mundial, substituindo a referência a Kannon pela referência ao Messias.
Nessa época, Meishu-Sama escreveu um poema estilo tanka que diz:
O mundo chegou a um beco sem saída
E não tem para onde ir.
O que será do mundo
Sem o aparecimento da Igreja Messiânica Mundial!
Também foi nessa época que Meishu-Sama começou a ser chamado pelo nome religioso de “Meishu-Sama”. Em relação ao nome Meishu, ele disse que “o som espiritual da palavra Meishu é muito semelhante ao da palavra Meshiya (Messias em japonês). Meishu talvez se torne Meshiya um dia”. Em 1950, Meishu-Sama compôs vários poemas no estilo tanka sob o título “Messias”:
Como é majestoso!
O nome de Bodhisattva Kannon –
Um deus de Grande Misericórdia e Compaixão – Evoluiu para o nome de Messias!
A hora chegou
Em que Deus começa a revelar Sua verdadeira face. Ele se despojou da vestimenta de Kannon
E está agora nascendo como Messias.
Eu abandonarei o nome de Bodhisattva Kannon. A partir de agora, trarei salvação ao mundo Através do nome Messias.
Eu lhes digo meus fiéis,
Não subestimem e lembrem-se – O sagrado nome do Grande Messias é o nome Que traz a salvação no fim dos tempos.
Kannon evoluiu para Messias. A essência e a verdadeira natureza de Kannon sempre foi Messias. É verdade que Meishu-Sama usou vários nomes sagrados como Kannon, Miroku, Izunome, entre outros. Mas para Meishu-Sama, todos eles evoluíram para um só nome – Messias.
No dia 19 de Abril de 1954, dez meses antes de falecer, Meishu-Sama sofreu um colapso com sintomas de derrame cerebral. Algumas semanas mais tarde, no dia 5 de Junho, Meishu-Sama disse aos seus seguidores que esse incidente era “um acontecimento realmente misterioso no curso da Obra Divina” e que ele havia renascido como um Messias. Dez dias depois, em 15 de Junho, Meishu-Sama realizou a “Cerimónia Provisória de Celebração do Nascimento de um Messias” e demonstrou para nós que um ser humano é capaz de nascer de novo como um filho de Deus, como um Messias.
Esse Meishu-Sama que nasceu de novo como um Messias está dentro de cada um de nós. Ele está sempre nos chamando, dizendo: “Imitem-me! Sigam os meus passos!”
Logo após fundar nossa religião em 1935, Meishu-Sama escreveu o seguinte prefácio para a primeira edição do Mundo da Luz Divina, a revista institucional da época:
Deus é Luz.
E onde há Luz, paz, felicidade e alegria são abundantes.
Na escuridão, permeiam-se o conflito, a pobreza e a doença. Vós que desejais Luz e prosperidade, vinde!
Vinde à Luz e chamai o nome de Bodhisattva Kannon!
Assim sereis salvos.
Meishu-Sama concluiu esse prefácio escrevendo: “chamai o nome de Bodhisattva Kannon! Assim sereis salvos”. Esse prefácio foi escrito em 1935, mas agora que sabemos que Kannon tornou-se Messias, essa parte deve ser lida como:
Chamai o nome Messias! Assim sereis salvos.
Assim, precisamos nos dirigir a Deus chamando o nome Messias se quisermos receber a salvação. E Meishu-Sama está dizendo que precisamos retornar a Deus, onde há Luz. Portanto, vamos retornar ao Paraíso, a Deus, à Luz, em nome do Messias que é uno a Meishu-Sama. Assim poderemos alcançar a verdadeira salvação nascendo de novo como filhos de Deus.
Meishu-Sama nos ensinou que ele iria construir o Paraíso na Terra, ou projetar na Terra o Paraíso. Quando usamos essas palavras, assumimos automaticamente que há partes da Terra onde o Paraíso ainda não chegou e que os seres humanos precisam trazer o Paraíso ou a luz a essas partes do mundo. Assumimos que a escuridão ainda existe na Terra. Assumimos que somente os esforços dos seres humanos podem iluminar o mundo e fazer da Terra um lugar melhor. Nós pensamos que esse era o significado de “construir o Paraíso Terrestre”. Na realidade, quase todo mundo pensa dessa forma – que precisamos criar um mundo melhor. Porém, eu gostaria que os senhores soubessem que pensando assim, viemos desonrando Deus porque assumimos que Deus não tem poder, que Ele está dormindo e permitindo que a escuridão exista na Terra sem fazer nada da parte d’Ele.
Isso precisa ser corrigido! Estávamos seriamente enganados! Deus é na verdade todo-poderoso e já iluminou toda a Terra. Ele já fez esse mundo um lugar perfeito. O Paraíso Terrestre já chegou! Ele já foi construído! Caso contrário, por que Meishu-Sama nos ensinou sobre a teoria da “purificação” na qual o amor de Deus existe em coisas aparentemente negativas, como doenças? Sim, é verdade que parece haver escuridão no mundo. No entanto, será que não seria o dever dos messiânicos reconhecer que o amor de Deus está presente em toda escuridão que há neste mundo? Se nós não fizermos isso, quem o fará?
Nós criamos um Paraíso Terrestre através do reconhecimento de que há luz na escuridão, de que Deus é todo-poderoso e que Seu poder e luz já abrangem todo o mundo. Viemos entendendo erroneamente os Ensinamentos de Meishu-Sama de forma que nós pudéssemos brilhar e ser honrados. No entanto, será que nosso objetivo não é fazer com que Deus brilhe e seja honrado? Nós, de alguma forma, abandonamos o verdadeiro Deus e passamos a acreditar em um Deus que é fraco, está adormecido e é conveniente para nós. Meishu-Sama não nos ensinou a respeito de um Deus adormecido; ele nos ensinou sobre o verdadeiro Deus que é o Criador de tudo. Portanto, vamos reconhecer que a Terra já é d’Ele, que a Terra já está envolta em Sua grande luz, e retornar ao verdadeiro Deus, ao Seu Paraíso, em nome do Messias que é uno a Meishu-Sama.
Vamos despertar para o verdadeiro Deus e para um tipo completamente novo de fé! E lembrem-se: é somente através do nome Messias que nós somos perdoados e salvos. Deus está vivo e está dentro de cada um de nós. Em nosso interior, Ele faz avançar Sua Obra Divina de tornar todos os seres humanos Seus próprios filhos. A esse Deus, eu, com toda a Natureza, todos os ancestrais e toda a humanidade, ofereço meu mais profundo e sincero louvor.
Que a graça de Deus esteja com todos os senhores.