Palavras de Kyoshu-Sama
Templo Messiânico, Solo Sagrado de Atami 15 e 16 de Junho de 2017

No dia 4 de Fevereiro deste ano, no Culto IMG_0482do Início da Primavera, eu dirigi aos senhores, membros da Igreja Messiânica Mundial, do Japão e do exterior, uma mensagem incomum. Eu estava ciente de que minha mensagem não era bem adequada à ocasião da celebração do início da primavera e que minha atitude seria criticada como falta de consideração com os senhores. Apesar de tudo isso, no entanto, eu gostaria que os senhores soubessem que eu não tinha outra alternativa, senão transmitir aos senhores naquele dia o que eu realmente sentia.
Essa minha atitude repentina e inesperada deve ter causado grande preocupação aos senhores e, hoje, eu gostaria de pedir as mais sinceras desculpas a todos: me perdoem.
Eu acredito que, no momento, minha responsabilidade como Kyoshu – líder espiritual – é receber, como representante de todos, a Vontade de Deus, através de Meishu-Sama, e transmiti-la aos senhores de tempo em tempo através das palavras que lhes dirijo nos cultos e em outras ocasiões. Porém, minha responsabilidade não se limita a isso. Cada um dos senhores tem seus próprios pensamentos, sentimentos e reações em relação às minhas palavras e eu acredito também ser minha responsabilidade relatá-los a Deus e servir como intermediário de todos junto a Ele, em nome do Messias, que é uno a Meishu-Sama. Nós estamos unidos como um só perante Deus, e eu não faço distinção entre os seus e os meus pensamentos, sentimentos e reações. Seus pensamentos são meus pensamentos, seus sentimentos são meus sentimentos e suas reações são minhas reações. É por isso que me sinto responsável por transmiti-los a Deus. Eu os relato a Deus não somente como seus mas como meus, como nossos.
Essencialmente, minha responsabilidade como Kyoshu é assegurar que minhas palavras e mensagens alcancem todos os messiânicos do mundo, sem qualquer empecilho ou modificação, e saber como os senhores reagem a elas. Desta forma, eu e os senhores poderemos estar unidos como um só em nossa tarefa de voltar nossos corações e mentes para Deus e Meishu-Sama.
No entanto, no período que precedeu o dia 4 de fevereiro, os directores da Igreja do Japão agiram com a intenção de romper o meu vínculo com todos os senhores. Eles tomaram várias medidas para tornar difícil para eu transmitir-lhes o meu sentimento sincero e receber dos senhores o seu sentimento sincero.
Membros da Igreja Messiânica Mundial, do Japão e do exterior, eu os amo. Do fundo do meu coração, eu os amo.
Eu senti que, se os directores da Igreja do Japão continuassem agindo da mesma forma que antes do dia 4 de Fevereiro, a continuidade da organização correria sério perigo. Também senti que o rumo que a situação estava tomando se tornaria um obstáculo àqueles que sinceramente buscavam a verdadeira mensagem que Meishu-Sama, gostaria que entendêssemos através de minhas palavras. Foi por isso que precisei transmitir aquela mensagem aos senhores no Culto do Início da Primavera.
Mais adiante, através da saudação do Presidente Kobayashi no Culto Mensal de Maio, os directores se desculparam pela forma como vieram conduzindo a Obra Divina até então e declararam, para Meishu-Sama, para todos os messiânicos e para mim, a sua determinação de, a partir daquele momento, avançar no caminho completamente novo de fé a nós mostrado hoje por Meishu-Sama. Naquela ocasião, eles também se comprometeram a conduzir uma revisão drástica e detalhada de todos os aspectos da organização, a fim de materializar a sua determinação.
Essa revisão já começou a ser feita por aqueles que compartilham o meu sentimento. No momento, os reverendos Shirasawa e Kawatani e os directores de todas as cinco regiões de expansão religiosa do Japão estão liderando esta revisão drástica e detalhada com total determinação. Eu aprovo integralmente a revisão que eles estão conduzindo no momento e gostaria de apoiá-los o máximo que eu puder.
Mais importante ainda é o facto de que essa revisão não poderá ser feita sem a ajuda, apoio e compreensão de todos os messiânicos do mundo. Nós estávamos centralizados no homem, em tudo o que fazíamos. Hoje, com essa revisão, estamos tentando transformar a nossa velha forma de conduzir a Obra Divina, centralizada no homem, em uma forma totalmente inédita e reconstruir nossa instituição como uma organização completamente nova, adequada aos novos Ensinamentos de Meishu-Sama que nos estão sendo revelados. Realizar essa transformação não é uma tarefa fácil e requer uma coragem inabalável, pois os reverendos e directores que mencionei acima estarão constantemente precisando tomar muitas decisões difíceis.
Reverendos, ministros e messiânicos do mundo inteiro, eu sinceramente peço-lhes a sua ajuda, apoio e compreensão nessa revisão drástica e detalhada. Eu acredito que realizar essa revisão devidamente e de forma minuciosa é um passo necessário para que os senhores possam perceber a verdadeira mensagem de Meishu-Sama.
Hoje, com profundo respeito e temor a Deus, eu lhes digo que nossa respiração agora é uma respiração completamente nova. Essa nova respiração é aquela que Deus concedeu a Meishu-Sama quando Ele nasceu de novo como um Messias, um filho de Deus. Eu lhes digo que, não só Meishu-Sama, mas todos nós também, estamos respirando com essa nova respiração, pois o novo Meishu-Sama vive e respira dentro de cada um de nós.
Essa nova respiração é também muito antiga – ela é a respiração que Deus nos concedeu no
Paraíso, no mundo do Início, como Sua própria vida eterna. A cada um de nós foi concedida a respiração da vida eterna antes de virmos à Terra. Isso é impressionante, assustador e maravilhoso! Eu só conhecia a respiração deste mundo – a respiração que teve início quando eu cheguei a este mundo e que terminará quando dele eu partir. Eu só conhecia a respiração da vida mortal. Porém, Meishu-Sama nos disse, em 1954, que Ele havia nascido de novo como um Messias. Ele havia nascido não como um filho de pais terrenos, mas como um filho do Pai Espiritual, do Pai Celestial, do Deus que é, Ele próprio, a vida eterna. Através desse novo nascimento, Meishu-Sama me fez perceber que possuímos, dentro de nós, uma respiração espiritual, invisível e eterna. Nós temos a respiração da vida eterna dentro de nós. Todos os ancestrais e toda a Criação, no Céu e na Terra, também possuem essa respiração eterna de Deus.
Nós respiramos quando estamos acordados. Nós também respiramos quando estamos
dormindo ou desacordados. Quem faz isso? Quem controla nossa respiração? Será que não é através do poder de Deus que nossa respiração é mantida todo o tempo? Será que não é o próprio Deus que sempre respira dentro de cada um de nós? Eu lhes digo com uma alegria indescritível que a nossa respiração é, na realidade, a respiração de Deus. Gostaria que soubessem que nós já estamos respirando com essa respiração eterna de Deus. Deus já nos permitiu receber e herdar a Sua própria respiração.
Apesar de termos recebido essa bênção maravilhosa, durante muito tempo desrespeitamos Deus, por considerarmos que nossa respiração era nossa, e que a possuíamos. Nós dizíamos e declarávamos acreditar que Deus era o Criador, mas não considerávamos a “respiração” como uma das criações de Deus. Minha respiração foi e sempre será a respiração de Deus. Nossa respiração foi e sempre será a respiração de Deus. Acredito que esta é a verdade mais fundamental que viemos ignorando e negligenciando enquanto vivíamos nossa vida até hoje. Por considerarmos nossa respiração como nossa propriedade, nós viemos desrespeitando Deus completamente. Não tínhamos como redimir esse grave pecado e atitude presunçosa para com Ele.
Mesmo assim, com Sua graça, e através da Transição da Era da Noite para a Era do Dia, Deus decidiu nos perdoar incondicional e unilateralmente. Não foi porque fizemos algo bom ou porque merecemos que Deus nos perdoou. Todos nós, sem excepção, nos voltamos e nos rebelamos contra Deus e não havia nenhuma forma de redimirmos este grave pecado. Apesar disso, Deus nos trouxe a salvação, declarando Seu perdão a nós, a humanidade. Sim, Ele perdoou a nós – os pecadores, os desprezíveis e os injustos. Como é grande o amor de Deus!
Ao tomar conhecimento do perdão incondicional de Deus, Meishu-Sama, como nosso representante, se arrependeu, se virou para Deus e retornou ao Paraíso onde Deus habita. Ele então pediu perdão a Deus pelos Seus e pelos nossos pecados, e ofereceu Sua vida e Sua respiração a Ele. Após examinar o coração de Meishu-Sama, para determinar se o Seu arrependimento era sincero ou não, Deus decidiu finalmente aceitar o pedido de Meishu-Sama e conceder-lhe, mais uma vez, uma nova vida e respiração, através do nome sagrado Messias.
Em Abril de 1954, Meishu-Sama sofreu um colapso causado por um derrame cerebral. Porém, mesmo enquanto Ele sofria com o derrame cerebral, Ele nos disse que “havia se tornado mais jovem” e que era um “bebê recém-nascido”. Será que essas palavras não são uma prova de que Meishu-Sama recebeu uma nova vida e uma nova respiração de Deus? Caso não sejam, por que Meishu-Sama disse que era um “bebê recém-nascido”? E isso não é tudo. Meishu-Sama também afirmou que “um Messias havia nascido”. Será que, através destas palavras, Ele não estaria nos dizendo que o “bebê recém-nascido” tinha um nome, e que esse nome era “Messias”?
Os bebês recém-nascidos iniciam a vida na terra ao inspirar o ar fresco pela primeira vez, imediatamente após saírem do útero materno. Na ocasião do seu novo, segundo nascimento, Meishu-Sama também foi impregnado com uma respiração divina completamente nova que traz o nome Messias, e inspirou essa respiração espiritual. Foi por essa razão que Ele nos disse que era um “bebê recém-nascido” de nome Messias. Não consigo imaginar a alegria de Meishu-Sama por poder nascer de novo como um verdadeiro filho de Deus, como um Messias.
Gostaria que os senhores soubessem que nossa respiração também é essa respiração completamente nova de Deus, que traz o nome Messias. Nossa respiração já está unida à respiração de Meishu-Sama. Essa nova respiração está impregnada com a Vontade Divina – a Vontade imutável de Deus de amar e perdoar toda a humanidade para que, como Meishu-Sama, possamos nascer mais uma vez como Seus filhos, como Messias. Portanto, em nome do Messias, vamos receber o perdão de Deus que está impregnado nessa nova respiração divina. Vamos nos distanciar da respiração da vida mortal, acreditar na respiração da vida eterna e nos tornar filhos de Deus com vida interminável.
Como, neste exacto momento, Deus sopra em nós a Sua respiração da vida, eu gostaria de, agora, com todos os senhores, receber essa respiração com as seguintes palavras. Por favor, os senhores poderiam ter os mesmos pensamentos que eu enquanto ouvirem minhas palavras?
Ó Deus, em nome do Messias, que é uno a Meishu-Sama, com todos os meus ancestrais e toda a Natureza, eu agora retorno ao Paraíso que existe em meu interior e recebo o Seu perdão que está em Sua respiração. Me use, Deus, de forma que essa bênção seja compartilhada com todos à medida que eu sirva à Sua Obra. Que a Sua vontade seja concretizada através de minha inspiração e expiração, através de minha expiração e inspiração. A minha vida e respiração Lhe pertencem. Assim, eu as entrego ao Senhor.
Obrigado por terem os mesmos pensamentos que eu.
Senhoras e senhores, vamos agora respirar fundo e preencher todo nosso corpo – cada célula do nosso corpo, da cabeça aos pés – com essa respiração completamente nova de Deus. Depois de receber essa respiração de Deus, vamos expirar com o pensamento de retornar ao Paraíso onde Deus habita, entregando-nos inteiramente, de corpo e alma, a Ele.
Que o Deus eterno seja louvado para todo o sempre.

This post is also available in: Inglês