Chamo-me Elisângela Marcelina Morais Jorge, tenho 23 anos de idade, resido no bairro Rocha Pinto, sou membro e dedico como encarregada do Grupo Terra no  DSC00913 Foto Elizangela Jorge

Johrei Center Sagrada Esperança.

Conheci a IMMA em Agosto de 2012, por intermédio da minha mãe Eva Domingos Morais.

Os motivos que me levaram a conhecer a igreja foram doenças, maus sonhos e conflitos com o meu Pai e o meu Avô. Quanto as doenças, era acometida de paludismo constantemente e barriga inflamada. Esses problemas começaram quando tinha apenas 10 anos de idade. E para solucionar os mesmos, frequentámos hospitais e casas de quimbandas, onde em uma das casas deram-me banho, tiraram moedas do meu interior e areia vermelha na barriga, mas não obtive soluções.

Eu e a minha mãe nos dirigimos ao Johrei Center, onde fui recebida pelo plantonista que após ouvir-me atentamente orientou o seguinte:

  • Receber 10 Johrei por dia;
  • Manter a flor de luz em casa;
  • Assistir aos cultos;
  • Peregrinar aos locais de maior luz da nossa igreja.

Não tive dificuldades no cumprimento destas orientações e em pouco tempo de recebimento de Johrei, a minha saúde restabeleceu completamente.  Para retribuir as graças recebidas, tornei-me membro no dia 08 de Março de 2014.

A experiência de fé que passo a relatar está relacionada com a advertência dos antepassados.

No mês de Julho do corrente ano, a minha prima teve um sonho com os nossos antepassados, em que diziam:

– “A Elisângela é quem vai encaminhar toda a família à Igreja Messiânica.”

No dia seguinte, ela contou-me o sucedido e naquele momento encontrava-me na unidade religiosa. Naquele instante não acreditei, mas tinha um irmão que ouviu a nossa conversa, chamou-nos e disse:

– “Irmã Elisângela se os antepassados te escolheram, então sempre que fores à casa dos teus avôs, leva uma Ikebana.”

Naquela altura não dei muita importância. No mesmo mês, tive um sonho onde mostraram-me toda a minha família em purificação. Despertei aos gritos, por volta da meia-noite. Acordei a minha prima e incorporei o espírito da nossa bisavó materna Eva José Luís, que dizia que precisamos fazer o sohrei-saishi de três espíritos, ou seja, dela, da nossa bisavó paterna Joana Mutchazengue e o da minha tia Helena Domingos Martins, além disso tinha que fazer limpeza em casa dos nossos avôs,  porque toda a família precisa ingressar na Igreja Messiânica e fazer uma reunião familiar urgentemente.

No dia seguinte, falei com o responsável da unidade, que orientou-me a fazer o que o espírito recomendou. Dei a conhecer a minha família, que em parte é messiânica e marcamos o encontro para domingo.

No dia marcado, agradecemos a oportunidade que Deus e o Messias Meishu-Sama nos estavam a dar para reunir a família, e decidimos fazer o donativo do sohrei-saishi, no Culto Mensal de Gratidão de Agosto. Fizemos dos troncos familiares paternos e maternos. Por volta das 21 horas, como é habitual a família fazer a oração, os nossos antepassados vieram agradecer. Incorporei o espírito da minha bisavó materna, que disse o seguinte:

– “Naquele tempo, escravizamos e matamos muita gente, por isso vocês estão a pagar através desses sofrimentos.

De seguida o espírito apontou para o retrato de Meishu-Sama e falou:

– “Esse senhor está a fazer maravilhas no Mundo Espiritual: Perguntem ao vosso pai qual é o meu nome e antes do dia 2 de Novembro façam também o sohrei-saishi, do jeito que fizeram contribuição para aqueles espíritos. Só assim vão acabar com todo o sofrimento que estão a passar. Todos os vossos tios estão encostados por isso,  façam rápido, que nós estamos com pressa!”

Agradecemos, no dia 16 de Setembro realizamos a limpeza com muito amor e gratidão.

Mudanças Ocorridas na Família

No dia da limpeza, o meu avô recebeu a flor de luz, facto que deixou-nos feliz, ele contou como os seus pais viveram e disse o nome do seu pai. Ficamos admirados porque ele nunca havia contado a história de seus pais;

Minha tia que é de outra denominação religiosa, tinha muita mágoa do seu pai, quando contamos aquilo que os antepassados disseram, ela participou da limpeza, fez a comida do seu pai, prometeu participar com valores para fazermos o sohrei-saishi e que vai voltar a frequentar a nossa religião;

Os meus avôs que há muito tempo estavam em conflitos, se reconciliaram;

Aprendi que Meishu-Sama é o Messias esperado pela humanidade. Aprendi também que o ingresso na fé messiânica acontece para livrarmos os nossos antepassados do sofrimento.

Meu compromisso é participar do encaminhamento das 100.000 famílias convictas e participar na construção do Templo Messiânico. Encaminhei 30 pessoas à igreja, das quais uma frequenta, cuido de duas casas, faço o dízimo, donativo de construção e donativos diários.

Agradeço ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados por terem utilizado a minha mãe para o meu ingresso a este caminho de fé.

Aos ministros, responsáveis, membros e frequentadores os meus sinceros agradecimentos.