Chamo-me Inácio Felisberto Pires Fernandes, Inacio stptenho 69 anos de idade, sou membro e resido no Bairro de São Marçal.

Conheci a Igreja Messiânica Mundial de São Tomé e Príncipe em 2004 por intermédio da minha tia Isabel Nozolino Fernandes, membro desta instituição religiosa, por motivos de depressão. Tudo começou quando a minha esposa partiu para o Mundo Espiritual. Não suportei a perda, tornei-me uma pessoa infeliz, deprimido e perdi a vontade de viver. Tudo o que fazia corria mal e achava que a vida para mim já não fazia sentido.

Foi nesse estado que, a minha tia compadecendo-se com o meu sofrimento falou-me da igreja e encaminhou-me ao Johrei Center de Riboque da Capital. Fui recebido pelo plantonista que depois de ouvir-me, esclareceu-me sobre a nossa missão aqui no Mundo Material pois tudo já está projectado pelo Supremo Deus. Também orientou-me as práticas básicas da igreja, nomeadamente receber Johrei, fazer o auto-exame da fé e manter a flor de luz em casa.

Fiquei muito sensibilizado pela forma que fui atendido, por isso decidi frequentar e praticar as orientações recebidas. Durante aproximadamente 7 meses, frequentei de forma assídua a igreja e face as melhorias constatadas, materializei o donativo de primeira graça, de outorga e recebi o sagrado Ohikari em Fevereiro de 2005.

A experiência de fé que se segue está relacionada com o despertar para participar do Culto às Almas dos nossos Ancestrais e Antepassados em Angola e a importância da limpeza profunda em nossas casas.

Embora eu tenha peregrinado a Sede Central de África em 2015, despertei novamente para voltar a peregrinar. Como não reunia as condições financeiras necessárias para custear as despesas da peregrinação de uma só vez, comecei a fazer o meu donativo paulatinamente, depositando os valores que conseguia no sector de caravanas. Um ano depois comecei a purificar, tive um AVC (acidente vascular cerebral), e fiquei com o braço direito afectado. Tempos depois, outro braço também começou a ser afectado com cãibra, o que me deixou impossibilitado de exercer as minhas actividades profissionais, considerando que vivia do rendimento da minha oficina de bate-chapas. Face a essa situação, a preocupação tomou conta de mim, a tensão arterial descontrolou-se, comecei a sofrer de diabetes e passei a viver o dia-a-dia enfrentando crises emocionais, pois o medo de morrer começou a tomar conta da minha vida.

Certa vez, fui ao hospital fazer fisioterapia, tive uma crise, perdi os sentidos e cai na sala dos primeiros socorros. Fui observado pelos médicos e após isso, receitaram-me alguns medicamentos e uma rigorosa dieta alimentar. Passei a ingerir diariamente vários comprimidos e a viver sob dieta alimentar rígida, abdicando-me do uso de bebidas alcoólicas. O medo de morrer era tanto que tudo me provocava mal-estar, até que certo dia tive uma crise, fui parar ao hospital onde fiquei internado durante uma semana. Nesse período, recebi assistência religiosa dos irmãos da unidade e não só, o que ajudou significativamente para a minha recuperação. Quando tive alta do hospital, passei a frequentar o Centro de Aprimoramento para receber Johrei, especialmente as quartas-feiras. Com isso a purificação foi cessando, o medo de morrer desapareceu, voltei a comer normalmente e a ingerir um pouquinho de bebida alcoólica nas principais refeições.

Mesmo enfrentando essas purificações, em nenhum momento pensei em desistir do meu objectivo, que era peregrinar mais uma vez à Sede Central de África. Com esse sonen, tomei decisão de fazer parte da caravana que participaria no Culto Anual às Almas dos nossos Antepassados este ano na Sede Central de África!

Num dos cultos mensais realizado pelo Vice-presidente, este lançou um desafio a todos os fiéis, de juntos nos empenharmos na preparação da caravana, orando para mais de 50 pessoas diariamente. Mediante esse desafio fui participando das orações na unidade e não só. Com isso, fui ganhando a permissão de arrecadar o valor que ainda me faltava. Como o tempo se encurtava e me faltava uma quantia significativa para concluir o valor, recorri a um dos meus filhos pedindo emprestado o montante em falta. Por três vezes fiz esse pedido ao meu filho, mas ele não atendeu a minha solicitação. Continuei orando e no âmbito das assistências aos candidatos a peregrinação, fui contemplado com uma limpeza profunda em minha casa, realizado pelo responsável e os fiéis da unidade religiosa. Após a limpeza, no dia seguinte o meu filho foi ao meu encontro e deu-me a quantia que havia solicitado como empréstimo. Essa graça me deixou muito feliz e sensibilizado com a rápida actuação do Messias Meishu-Sama, após a limpeza profunda feita em minha casa. Esse milagre me permitiu concluir que a sujeira estava a condicionar a liberação do dinheiro.

Aprendi que, Deus e Meishu-Sama estão no comando de tudo e que não devemos temer nada.

Comprometo-me em continuar a empenhar e aprofundar cada vez mais nos ensinamentos para melhor servir.

Agradeço a Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados pela grande permissão de conhecer este caminho da salvação.

Muito obrigado.