Chamo-me Ismoénia Felicidade Elias Machava, Ismoéniasou missionária e dedico no Johrei Center Central. Conheci a Igreja Messiânica Mundial de Moçambique em Março de 2005, encaminhada pela minha irmã Ana Paula Elias Machava Chissano e sou membro desde 22 de Fevereiro de 2006.

Quando conheci a Igreja tinha problemas de insónias, maus sonhos, enxaqueca e conflitos familiares. Todos estes problemas foram ultrapassados com o cumprimento das práticas básicas da fé. Por gratidão, tornei-me membro da Igreja e, em Janeiro de 2009, abracei a carreira missionária.

Depois do aprimoramento sobre o Sorei-Saishi orientado pela Professora Tatiana Pinheiro em 2015, assumi o compromisso de fazer donativos de recebimento da Imagem da Kannon para os meus familiares que já se encontram no Mundo Espiritual.

Desde essa altura, venho fazendo os donativos sem falhar e já fiz para duas tias que se suicidaram; uma tia que foi assassinada, para o meu avô materno que se suicidou e para outro avô que morreu vítima  de doença. Ao todo, cinco antepassados  receberam a Imagem da Kannon no Mundo Espiritual.

Iniciei o donativo para o recebimento da Imagem da Kannon para uma outra tia, irmã da minha mãe, que se encontra no Mundo Espiritual há 32 anos. Em vida, a minha tia teve paralisia infantil e para se movimentar ela gatinhava e por isso tinha muitas limitações na execução das suas actividades diárias.

Este ano recebi a orientação de peregrinar ao Solo Sagrado de Guarapiranga, no Brasil, e durante a preparação o preço  do bilhete subiu. Assim, com o salário do mês de Outubro fiz apenas o dízimo e assumi o compromisso de fazer o donativo de construção no regresso, para poder cobrir o valor do bilhete. No regresso, eu já teria o valor do donativo de construção porque tinha alguns valores por receber.

Assim, peregrinei para o Brasil, de 25 de Outubro à 8 de Novembro de 2017, onde dentre várias actividades, participei do Culto Especial às  Almas dos nossos Antepassados, realizado  no dia 2 de Novembro.

De regresso à Moçambique, realmente as pessoas que me deviam, saldaram as dívidas, mas eu sempre pensava: “Depois farei o donativo de construção.”

O tempo foi passando, eu estava sempre com o dinheiro na carteira mas não fazia o donativo. Na sexta-feira, dia 24 de Novembro levei um envelope de construção, mas não cheguei a colocar o donativo no envelope, e mais uma vez voltei com o valor para casa.

No dia seguinte,  portanto sábado,   comecei a sentir dores na coluna e fraqueza nas pernas, o que me impediu de sair de casa. Fiz a prática do sonen e auto ministração do Johrei. No Domingo, consegui assistir ao culto mas de novo não fiz o donativo. Ao chegar  à casa senti de novo fraqueza nas pernas, rigidez nos músculos e parecia que as minhas pernas estavam a encolher-se.

Na segunda-feira,  coloquei o valor no envelope logo pela manhã, entrei na dedicação e pensei: “Depois farei o donativo e deixei o envelope na gaveta”.

Finalmente quando ia iniciar a Prática do Sonen que antecede o Culto Vesperal, preparei o donativo diário e levei também o donativo de construção. Informei a missionária Maria da Luz que pretendia terminar o donativo da Kannon para a minha tia. Fomos ao Altar e fizemos oração minutos antes do início  do Culto Vesperal. Durante a oração, senti um grande alívio nas pernas e só assim entendi que vinha protelando a salvação da minha tia. O Mundo Espiritual vinha me dando sinais e eu não entendia. Então pedi perdão ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama e à minha tia pela minha postura incorrecta.

Com esta experiência de fé, ganhei mais consciência da importância do donativo, da nossa ligação com os antepassados e a nossa missão de salvá-los.

Agradeço a Deus e a Meishu-Sama pela permissão de dedicar na Obra Divina e de aprender todos os dias.

Aos ministros, missionários, membros e frequentadores, os meus sinceros agradecimentos!

Muito obrigado!