Chamo-me José Guilherme Ceita da Costa, tenho 59 anos de idade, sou piloto naval de profissão, membro desta instituição religiosa e resido em Almeirim.stp

Tomei conhecimento da Igreja Messiânica Mundial de São Tome e Príncipe em 2014 por intermédio da senhora Domingas Diogo Vaz, membro dessa congregação mas só comecei a frequentar em Janeiro ou Fevereiro de 2015.

Os motivos que me levaram a conhecer a igreja derivaram de graves conflitos conjugais que vivi entre 2011 à 2014 com minha ex-esposa, o que obrigou-me a abandonar a minha residência, deixando todos os meus pertences. Tudo deveu-se ao feitiço que o amante da minha ex-mulher fez e colocou em casa e no carro de forma a se apoderar da mulher, dos meus bens materiais e inclusive transformar o sentimento da minha filha, de 19 anos de idade, de quem sou muito apegado, incentivando-a a odiar-me. Ela também era muito apegada a mim, pois éramos muito amigos. Quando viajasse, ansiava muito pelo meu regresso. Apesar disso, chegou ao ponto de dizer-me que não queria saber da minha existência, do meu apoio como pai e nem ouvir falar o meu nome. Isso deixou-me muito triste e sofria sempre que lembrasse o que me havia dito.

Tendo perdido a casa, pensei em reaver no mínimo a parte do dinheiro que dei a minha ex-mulher para guardar. Mas não consegui, pelo contrário, apercebi-me que havia  comprado uma viatura para o seu amante que actualmente vive com ela. Diante deste quadro, senti-me perdido, sem rumo e enfurecido, passei a andar com a minha arma de fogo a fim de matar o amante dela. Tive várias ocasiões para matá-lo, mas no momento preciso era desviado de forma tão estranha que não me permitia executar o acto. Também pensei em destruir aquela residência partindo tudo, mas no final recebia conselho de familiares e pessoas amigas para não agir daquele jeito.

Foi nesse quadro de sofrimento que fui encaminhado à Igreja Messiânica mais concretamente ao Centro de Aprimoramento de Almeirim. Na igreja, fui recebido pelo plantonista que ouviu-me e orientou as práticas básicas tais como:

  • Receber Johrei diariamente;
  • Participar dos cultos e cultuar os meus antepassados;
  • Fazer limpeza na nave e no banheiro;
  • Manter a flor de luz em casa e oferecer as outras pessoas;
  • Participar nos desafios de orações na unidade e na futura Sede Central do Palmar.

A princípio frequentava com pouca assiduidade! Mas com o acompanhamento do responsável da unidade, da Irmã que me encaminhou e dos outros missionários que já me conheciam antes de frequentar a igreja, tornei-me um frequentador mais presente e participativo. Comecei a praticar as orientações, exclusivamente com intuito de ter a minha filha de volta e sermos amigos como no passado. passados 11 meses aproximadamente, embora o meu desejo não tivesse sido concretizado, tornei-me membro no dia 23 de Dezembro de 2015 para melhor servir a Deus e Meishu-Sama, fazendo feliz o próximo.

Passado algum tempo, fui orientado pelo ministro a reforçar as práticas básicas, comprometendo-me mais com Deus e Meishu-Sama, dedicações no palmar e Milagrosa. Actualmente, o relacionamento com a minha filha está a dar passos firmes aproximando-se do passado, já telefona-me regularmente.

A experiência de fé que passo a compartilhar com os senhores está relacionada com a purificação vivenciada, convicção em Deus, Messias Meishu-Sama e Johrei.

Como mencionei acima, trabalho como piloto naval! Em Fevereiro de 2017, viajei para Nigéria, onde permaneci por 2 meses. Naquele período, toda tripulação enfrentou grande purificação financeira, motivado por uma avaria do navio. Também, passamos por doenças ao ponto de um colega ser acometido por AVC ou trombose. Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama fui o único que não purificou. Nem com doença, nem financeiramente, porque sempre apareciam tripulantes que no passado trabalharam comigo em outras companhias ou em outros portos que me ofereciam algum dinheiro para cobrir algumas necessidades básicas. Acredito que como comandante e com a missão de trazer a tripulação, fui protegido. Regressamos a S.Tomé no dia 07 de Maio, no mesmo dia fui à igreja a fim de agradecer a Deus e Meishu-Sama por tudo, coincidentemente era dia do Culto Mensal de Gratidão, o que permitiu encontrar-me com ministros, membros e receber a saudação por parte deles.

Algum tempo depois, comecei a purificar levando-me a sentir como se estivesse no inferno. Pois, a purificação financeira aumentou, associando-se ao conflito laboral, conjugal e como se não bastasse, a doença. A purificação financeira começou a partir do mês de Setembro do ano passado, quando a companhia começou a ter dificuldades para pagar o salário dos funcionários; Ficamos 6 meses sem receber, o que me obrigou a gastar todas as minhas poupanças para suprir diferentes necessidades. A situação financeira ficou muito difícil. Fui orientado a agradecer pela situação e reconhecer que Deus e o Messias Meishu-Sama estavam no comando de tudo.

Relativamente a doença, comecei a purificar com fortes dores por todo corpo, febres altas, fraqueza e falta de apetite. Na Oração Especial para Elevação  dos nossos Antepassados, embora doente, quis participar. Contudo, ao lembrar que não tinha dinheiro para fazer o donativo, não quis cultuar; assim, decidi ficar em casa. Horas depois, o meu Ohikari caiu; ao tentar colocá-lo no pescoço caiu novamente com forte estrondo. Desse modo, fui ao Centro de Aprimoramento de Almeirim expor o ocorrido ao responsável da unidade.

No dia seguinte, fui ao Centro de Aprimoramento da Marginal,  encontrei-me com o Ministro que orientou-me sobre a reconsagração. Naquele dia, estava a arder de febres, não conseguia ficar sentado, durante o culto vesperal fiquei deitado, recebendo Johrei. O Ministro perguntou-me se já tinha sido consultado por um médico. Respondi-lhe que não, pois pretendia desafiar apenas com o Johrei. Recebi Johrei intensivamente, três dias depois não havia sinal da doença. Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama, o paludismo desapareceu até a data presente. Frequentemente adoecia com paludismo e outras enfermidades que para solucionar fazia vários tratamentos.

Aprendi que o apego é a causa de muitas desgraças, que a fé é prática e que o Johrei é realmente a medicina do Século 21.

Meu compromisso é continuar a orar a fim de cumprir a minha missão participando na construção do Paraíso Terrestre.

Agradeço a Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados pela grande permissão de servir a Obra Divina junto com os meus antepassados.

Muito obrigado.