Chamo-me Ana Maria de Carvalho Duarte, duartetenho 30 anos de idade, sou frequentadora desta instituição religiosa, resido em Ponte Graça e dedico no Johrei Center do Riboque.

Conheci a Igreja Messiânica Mundial de São Tomé e Príncipe, em 2004 através de uma vizinha frequentadora na altura, que me convidou para assistir a um culto mensal de gratidão. Gostei e comecei a frequentar.

O que me chamou atenção foi que a partir do momento em que passei frequentar a Igreja, comecei a tirar boas notas e fui considerada a melhor aluna da turma, algo que nunca havia acontecido. Contudo, tive que me afastar da Igreja porque  comecei a namorar com um jovem de outra religião. No inicio, frequentávamos as duas igrejas, mas a certa altura ele reclamou que não dava para misturar duas crenças. Com isso afastei-me da igreja, durante 14 anos. Nesse período não tive paz na minha vida, não conseguia estudar, reprovei várias vezes, deixei de estudar. Passei a viver maritalmente com ele e tivemos uma filha, mas o nosso relacionamento não era dos melhores; Como consequência, ele arranjou outra família, fiquei com muita raiva dele, o que levou à nossa separação. A separação só veio piorar a situação, não conseguia dormir, não encontrava emprego para sustentar a minha filha, quando arranjasse um trabalho não era duradouro.

Na tentativa de resolver esses problemas, passei em várias casas de curandeiros e várias igrejas procurando a paz de espírito, mas sem êxitos.

Em 2017, um dos meus irmãos contraiu celulite necrotizante e ficou hospitalizado durante 3 meses. Uma membro, vendo o sofrimento da minha mãe, convidou-a à igreja, onde foi orientada a fazer limpeza em frente a unidade todos os dias antes de ir ao hospital e receber 10 Johrei por dia. Colocando essas orientações em prática, o meu irmão teve alta, enquanto esperava fazer uma cirurgia. Felizmente, a operação foi um sucesso e esse resultado despertou-me para retornar à igreja.

Na verdade, o meu despertar evoluiu quando comecei a verificar mudanças significativas na minha vida. Reflectindo sobre isso, pensei: “Será que as coisas que a minha mãe está a fazer na igreja Messiânica, é que estão a trazer essas mudanças?”

 A experiência de fé que passo a relatar está relacionada com o donativo de construção.

No dia do Culto Mensal de Gratidão do mês de Fevereiro de 2018, tinha uma quantia na carteira para pagar uma dívida. No final do culto tomei a iniciativa de fazer um donativo de construção que se destinava a compra de um terreno para a construção da nossa unidade.

Ao anoitecer, comecei a ouvir vozes dizendo para fazer outro donativo de construção para a compra de mosaico com o resto do dinheiro que tinha na carteira. Procurava a pessoa que estava a falar comigo, mas não via ninguém, e a voz insistia:

Tens que fazer o donativo para compra dos mosaicos.

Fiquei muito assustada e com medo, não conseguia dormir. Procurei alguém para me desfazer do dinheiro mas como já era noite não vi ninguém e passei a noite acordada e com muito medo até ao amanhecer. Muito cedo corri para unidade, durante a caminhada continuei ouvindo vozes me atormentando dizendo:

Faz o donativo para compra de uma caixa de mosaico.

Espantosamente, a caixa de mosaico valia exactamente o valor que possuía. Quando falei com o responsável e materializei o donativo, instantaneamente parei de ouvir a voz, fiquei tranquila.

Certa vez, enquanto fazia leitura de ensinamento de Meishu-Sama, li uma passagem que falava sobre aborto. Naquele instante senti cheiro de sangue. Relatando o facto para o meu superior, perguntou-me se alguma vez fiz aborto. Respondi que sim e orientou a tornar-me membro o mais rápido possível a fim de fazer o Sorei-Saishi do espírito abortado. Mas que por enquanto teria que fazer o donativo de pedido de perdão.

Agora tenho paz, tranquilidade e sinto-me feliz.

Aprendi que Meishu-Sama é mesmo o Messias esperado pela humanidade e que não devemos ser apegados ao dinheiro.

O meu compromisso é de aprofundar nas dedicações para ganhar a permissão de me tornar membro, participar da construção e merecer a salvação.

Agradeço ao Supremo Deus e ao Messias Meishu-Sama, pela permissão de conhecer este maravilhoso caminho da salvação, junto com os meus antepassados.

Quero agradecer também aos ministros, missionários, membros e frequentadores; ao responsável pela paciência e carinho que teve comigo, assim como a minha mãe e a irmã Luísa.