Chamo-me José Amadeu Nhavene, 29425729_2107748515909632_4452622428606038016_ntenho 64 anos de idade, sou frequentador desde Setembro de 2016 e dedico no Johrei Center de Maxaquene como assistente do Grupo Lua, bem como na locução.

Conheci a Igreja Messiânica Mundial de Moçambique, em Março de 2016, através do encaminhamento na porta do Centro de Aprimoramento de Maputo, quando cumpria a minha rotina de caminhada diária de 45 minutos, três vezes por semana, por orientação médica.

Na altura, sofria de dores fortes no joelho, conflitos familiares, que culminaram em hipertensão, daí a orientação médica de fazer caminhadas. Também preocupava-me bastante a tuberculose de que padecia a minha filha desde 2012. Em 2017, os médicos informaram-nos que já tinham feito todos os possíveis para a ajudá-la, mas sem solução, o que deixou-nos ainda mais preocupados. Foi assim que a convidei para o Johrei Center de Maxaquene, onde foi orientada a ler a Prática do Sonen 10 vezes por dia, fazer a horta caseira, limpeza no banheiro de casa e encaminhar outras pessoas, tendo, com a graça de Deus, conseguido encaminhar as suas irmãs. Três meses depois, voltou ao hospital, onde fez alguns exames médicos, os quais demonstraram que ela não padecia mais da tuberculose; ela estava curada, facto este que deixou os médicos estupefactos. Actualmente, retomou as suas actividades laborais e assumiu o compromisso de continuar a seguir as orientações recebidas e tornar-se útil à Deus.

Com a graça de Deus e do Messias Meishu-Sama, após colocar as orientações em prática, as dores que eu sentia no joelho cessaram por completo. Entretanto, com a intensificação do recebimento do Johrei e o cumprimento das práticas básicas da fé, os conflitos aumentaram bastante, à ponto dos meus filhos perderem o respeito por mim. Eles tiraram toda a minha roupa do meu quarto, fazendo com que passasse a dormir na sala. Recordo-me de um dia em que não consegui ir à dedicação, porque esconderam os meus sapatos. Muitas vezes, dormi com fome, cozinhavam e comiam tudo, não deixando nada para mim. O facto dos meus filhos não falarem comigo,  deixava-me muito triste e com vontade de sair de casa. Diante desta situação, partilhei com a Responsável o meu sofrimento, que prontamente orientou-me a agradecer e encaminhar tudo às mãos de Deus, pois se assim não o fizesse, por mais que saísse de casa, essa mácula haveria de persistir na minha família. Ainda assim,  recusava-me a agradecer, acreditando que o problema estava só com eles.

Graças à insistência da Responsável em cumprir com as orientações, decidi encaminhar tudo através das orações e outras práticas básicas, como resultado, os conflitos com os meus filhos reduziram consideravelmente. Eles aos poucos ganharam respeito, sendo que passaram a contar comigo nas refeições, colocaram de volta a minha roupa no quarto. Hoje, a interação na família é mais pacífica e harmoniosa, fiz as pazes com a minha esposa. Por tudo isso, manifestei a minha profunda e sincera gratidão.

A  experiência de fé a seguir  está relacionada ao dízimo.

Eu passava por muitas necessidades alimentares em casa devido ao aperto financeiro. Ouvia muitas vezes a falarem sobre o dízimo, mas não entendia e achava que se fizesse, haveríamos de passar fome em casa. Por isso, haviam meses em que fazia e outros não, oferecendo valores que nem correspondiam ao dízimo. Logicamente, a situação financeira continuava má, até que decidi fazer o teste de praticar o dízimo correctamente.

Assim o fiz e não tardou em ver a minha vida mudar, pois a minha situação financeira melhorou, o valor que dispunha passou a durar até o fim do mês. Ganhei a permissão de ter biscatos sempre por fazer, chegando por vezes a ter que viajar para este fim.

Com esta experiência de fé, quero testemunhar aqui perante os irmãos, que a prática correcta do dízimo, de acordo com as orientações superiores, muda realmente a nossa situação financeira.

Para agradecer por todas estas graças recebidas, fiz o meu donativo especial de gratidão, passei a dirigir as orações das 6 horas no Johrei Center, faço o plantão e assumi o compromisso de fazer o meu donativo de outorga para receber o Sagrado Ohikari e a Imagem de Kannon, para melhor servir a Obra Divina.

Sou cadastrado, encaminhei várias pessoas, uma das quais tornou-se frequentadora e tenho a horta caseira.

Agradeço ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados pela permissão de conhecer e trilhar o caminho da salvação.

Aos ministros, missionários, membros e frequentadores, o meu muito obrigado.