Chamo-me Elsa Violeta Faustino Elavoko, Elavokotenho 32 anos de idade, sou missionária e dedico como encarregada do sorei-saishi da província do Bíe. Sou messiânica desde 22 de Março de 2014. Os motivos que estiveram na base do meu ingresso na fé foram doenças, conflitos familiares e com os meus vizinhos. Durante 10 anos, sofri com perturbações mentais, fortes dores de cabeça, dores constantes de bexiga, estômago e fraqueza em todo corpo.

Quanto aos conflitos, não havia entendimento entre os meus irmãos, ninguém queria saber um do outro. As noites, sonhava com uma tia minha, suplicando-me que recebesse feitiço para trabalharmos juntas. Como não aceitava, pôs-me uma máscara de feitiço, que fez com que os vizinhos passassem a acusar-me de feiticeira, o que resultou num grande conflito com uma vizinha. Com a morte da minha mãe, o meu sofrimento aumentou, o que levou-me a frequentar vários hospitais e igrejas durante 5 anos sem obter resultados satisfatórios.

Com o cumprimento das praticas básicas da fé messiânica, graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama todo sofrimento que assolava-me foi ultrapassado. Como gratidão,  materializei o donativo de ingresso na fé, de outorga e tornei-me membro em 2015.

 A experiência de fé que passo a seguir está relacionada com a entronização do Altar do Lar e a horta caseira.

Sete meses após a minha outorga, despertei para receber o Altar do Lar e nessa fase, a minha filha começou a purificar, segundo o relatório médico, ela tinha má formação congênita, o que obrigou-me a ser transferida para outro município, para facilitar as consultas médicas da minha filha. Essa situação fez com que fosse chamada pela direção do meu serviço, onde comunicaram-me que ficaria sem salário, por não cumprir determinados pressupostos na minha transferência.  Confesso que fiquei sem chão. Atordoada com a situação, voltei para casa aguardando segundas ordens.

Em casa, materializei um donativo de gratidão pela purificação. Dias depois, por volta das 19 horas, um incêndio começou no quarto,  incrivelmente as chamas não atingiram a imagem do Altar do lar, não se alastraram pelo resto da casa, nem tivemos danos pessoais, o que para mim foi um grande milagre.  No dia seguinte, agradeci com um donativo especial.

O tempo foi passando mas o problema do meu salário não se resolvia. Mas, pelo meu empenho nas dedicações, os antepassados têm usado a minha irmã mais velha, que me tem apoiado para participar na construção do Templo Messiânico com donativos. As vezes tenho recebido 300 à 200 mil kwanzas para participar na construção do Solo Sagrado facto que tem me deixado admirada, porque a minha irmã pertence a outra religião.

Decidi renovar a minha horta caseira, enquanto mexia com a terra, incorporou um espírito que dizia:

– Fui sua rival em outras vidas, até hoje o seu marido não volta para sua casa porque tenho impedido. – Acrescentou ainda – Esse sofrimento que estás a passar não é suficiente, você recebeu o meu marido, sofri muito até que faleci com muita mágoa de ti.

Vale realçar que vivi cinco  anos com o meu marido e, sem motivos aparentes, pegou algumas peças roupa e foi-se embora. Na altura não entendi absolutamente nada, pensava dia e noite ao ponto de emagrecer,tinha vezes que não conseguia comer nada. Abalada com a situação, pensei em deixar a igreja. Com essa revelação, percebi a razão do meu sofrimento. Com isso, assumi o compromisso de fazer o sorei-saishi. Ao mesmo tempo, recebi a orientação de assumir a tarefa como encarregada.

Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama, tive a permissão de materializar o donativo de construção do Templo Messiânico no valor de 50 mil kwanzas. O meu ex-marido ligou-me às 3 da manhã, pedindo para voltar. Depois que participei de uma campanha de limpeza no Cemitério Histórico do Bié, a minha irmã mais velha, participou da Oração Especial de Elevação Espiritual dos nossos antepassados, recebeu Johrei. Outra minha irmã que estava afastada, voltou a dedicar, faz plantão na unidade, reduziu consideravelmente o consumo de álcool.

Para agradecer essas transformações ocorridas na minha vida e da família, materializei um donativo especial. Encaminhei mais de 50 pessoas das quais 5 tornaram-se membros. Cuido de 5 casas de membros e 4 de frequentadores com um total de 15 membros e 11 frequentadores. Pratico o dízimo, donativo de construção e diário. Tenho a horta caseira e já fui cadastrada.

Meu desejo é  aprofundar na minha tarefa, despertando o maior número de membros a realizar o sorei-saishi das suas famílias; Participar da construção do Templo Messiânico e aprofundar na dor e no sofrimento de outras pessoas.

Agradeço a Deus, ao Messias Meishu-Sama e, aos meus antepassados pela tamanha permissão de estar a servir nesta grandiosa obra de salvação.

Aos ministros, membros e frequentadores em particular a minha prima que encaminhou-me, a minha eterna gratidão.