Chamo-me Bernica Tene Mabunda, bernica (2)tenho 57 anos de idade, sou frequentadora, dedico no Johrei Center do Chamanculo e estou integrada na Rede da Salvação pelo grupo Lua, como Auxiliar. Conheci a Igreja Messiânica Mundial de Moçambique no dia 02 de Agosto de 2017, por intermédio do meu sobrinho, Benjamim Jorge Manjate, membro da igreja. Os motivos que me levaram a conhecer a igreja foram doença, falta de paz espiritual, conflitos e problemas financeiros.

Há mais de 45 anos que padecia de gastrite crónica, busquei solução de várias formas, mas nenhuma das tentativas teve resultado desejado. De repente, comecei também a sentir uma dor insuportável nos pés e nos joelhos, como se tivesse agulhas a me picarem. Para a minha tristeza, no dia seguinte, as dores pioraram, à ponto de ficar 7 meses sem locomover-me. Só voltei a andar 8 meses depois, mas com a ajuda de muletas. Na altura, estava grávida e só depois do parto é que voltei a andar. Ainda assim, as dores continuaram a incomodar-me e para solucionar  este problema, recorri aos hospitais, mas as dores persistiam.

Por outro lado, o meu esposo saiu de casa, deixando-me com os 5 filhos, os quais criei com muito sacrifício. Graças à Deus, cresceram bem e formaram os seus  próprios lares, mas estes, após se casarem, afastaram-se de mim, acusando-me de  feitiçaria e diziam que não merecia ser mãe deles.

Foi em meio a este sofrimento que em 2011, o meu sobrinho, ao tomar conhecimento do meu estado de saúde e da situação em que me encontrava, aconselhou-me a regressar à Moçambique a fim de obter ajuda religiosa, uma vez que na altura, residia na África do Sul. Assim o fiz e procurei saber dele sobre a igreja e, como resposta, mostrou-me vários folhetos sobre a Igreja Messiânica. Como não percebi nada, recusei-me a frequentar, alegando que esta não usa a Bíblia. Por ironia do destino, em Fevereiro de 2017, ao carregar um bidom de 25 litros de água, este escorregou da cabeça e caiu, batendo-me na coluna; eu caí e perdi os sentidos, tendo ficado desmaiada por algumas horas. Esta queda, causou-me dores fortes na coluna. Ao tomar conhecimento desta situação, o meu sorinho, foi visitar-me, mas quando ouvi a sua voz ainda na porta de casa, expulsei-o porque sabia que ele iria falar-me da igreja. Depois de reflectir bastante à respeito, percebi que na igreja em que eu frequentava, já havia me esforçado bastante, chegando ao ponto de ficar 72 horas na igreja, em jejum. Esse esforço não trouxe resultados satisfatórios por isso, pedi ao meu sobrinho que me levasse à igreja. No Johrei Center, fui  orientada a:

  1. receber 10 Johrei por dia,
  2. fazer a leitura diária das palavras de Luz e Prática do Sonen,
  3. fazer o donativo diário e o dízimo para manter o coração agradecido,
  4. dedicar no banheiro,
  5. encaminhar pessoas,
  6. manter a flor de luz e distribuí-la.

Coloquei em prática as orientações, 30 dias depois, comecei a notar melhorias na minha vida. As dores fortes de cabeça e nos ombros que sentia cessaram por completo. As dores nos pés melhoraram consideravelmente, bem como o problema hereditário da vista, pois já sinto uma grande diferença na visão. A minha maior alegria foi constatar que já estava curada da gastrite crónica, após 39 anos de sofrimento. Os meus filhos que já não queriam mais saber de mim, passaram a contactar-me com frequência. O meu filho mais velho veio buscar-me para apresentar-me aos meus netos e a casa em que reside. Os meus familiares, que também não queriam mais saber da minha existência, já me procuram e hoje reina paz e harmonia entre nós.

É de salientar que quando cheguei à igreja, estava a enfrentar um grande aperto financeiro, à ponto de mal ter o que comer. Foi vindo à igreja com mais frequência e cumprindo com obediência as orientações recebidas que aprendi a agradecer e encaminhar as minhas dificuldades aos cuidados do Supremo Deus e do Messias Meishu-Sama. Eu sou cozinheira de profissão, mas em 2003 parei de exercer as minhas actividades culinárias por falta de pagamento e nunca mais consegui um emprego. Após7 meses cumprindo com as práticas básicas da fé, ganhei a permissão de ser solicitada por um familiar para confeccionar a comida de um casamento, o que veio a trazer um alívio financeiro. Com o valor ganho deste trabalho, fiz o meu donativo de esforço máximo para o recebimento da Imagem da Kannon. Apesar de ter entregue tudo o que tinha ao Supremo Deus e ao Messias Meishu-Sama, nunca faltou o que comer, pois sempre aparecia alguém a apoiar-me nesse sentido. Para além deste trabalho, fui solicitada a cobrir mais um evento familiar.

Aprendi que cumprindo obedientemente as práticas básicas da fé, a nossa vida se transforma por completo, bastando apenas fazer a nossa parte.

Por todas as graças recebidas, materializei o meu donativo especial para expressar o meu mais profundo e sincero sentimento de gratidão.

O meu desejo é receber o sagrado Ohikari para ser útil à Deus.

Já me cadastrei, encaminhei 2 pessoas que actualmente estou a acompanhar e estão a frequentar activamente.

Agradeço ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados, em especial ao meu sobrinho, pela permissão de servir na Obra Divina.

Agradeço igualmente aos ministros, missionários e fiéis em geral, pela orientação e persistência no acompanhamento.