Chamou-me Janet Alpha, tenho 29 anos de idade  e sou membro há 3 anos. Ocorreram muitas mudanças na minha vida desde que me tornei membro da Igreja Messiânica Mundial. Sem Título-1

Antes de conhecer a Igreja,  vivia fortes conflitos com meu marido e dificuldades para terminar a minha formação na faculdade, mas com a ajuda da oração e Johrei, fizemos as pazes, a minha mudança fez com que a minha mãe também  conhecesse a igreja. Como gratidão, juntas recebemos o sagrado Ohikari. 

No fim do ano passado, enfrentei novamente um forte conflito com o meu marido, com isso cortou o sustento em casa, já não me dirigia palavras e parecia disposto a me correr de casa. Para piorar  a nossa situação, ele perdeu o emprego, sentia que toda a raiva era descarregada em mim. Os familiares, padrinhos de casamento e amigos aconselhavam-no mas não adiantava, porque  para ele a solução era eu sair de casa. 

No quintal também passei a enfrentar conflitos com uma vizinha ao ponto de ficarmos mais de um mês sem nos falarmos. Grávida sem apoio do marido, comecei a me estressar com todos  por simples coisas. 

Ao receber a equipa de assistência em casa, durante o Johrei, expliquei  tudo que estava a passar ao Missionário, que após ouvir-me perguntou se estava a  agradecer pela purificação. Na verdade era difícil para mim simplesmente dizer: “Graças a Deus”.

Fui orientada a ler diariamente as “Palavras de Luz”, prática do sonen e fazer correctamente as orações, mas acima de tudo, não julgar o marido, agradecer no fundo do coração  pela purificação e deixar tudo nas mãos de Deus. Também ficou programado fazer limpeza profunda, horta caseira e vivência da flor no lar,  participar nas actividades da igreja, em especial cuidar de pessoas na minha vizinhança. 

Graças a Deus, comecei a praticar  as orientações. Primeiro,  agradecer a purificação com donativo, fazer a prática do sonen reconhecendo que tudo era manifestação dos meus antepassados. Eu estava no passivo, esperava apenas as pessoas irem fazer oração em casa.  Tornei-me activa mesmo grávida de quase 8 meses. Participava das distribuições de flores, marchas de Johrei e já não faltava nos Cultos Dominicais. 

Foram feitas duas grandes limpezas em casa, três aulas  da flor, montagem da horta caseira e por semana tenho recebido em casa  uma equipa para assistência com oração, marcha de Johrei e leitura de ensinamentos. 

Em Fevereiro, ganhei permissão de dar luz e fiquei em casa, depois de um mês perguntei ao Missionário se podia dedicar na horta. Em resposta, recebi  a orientação de explicar a importância da horta caseira aos meus vizinhos, esta seria a minha dedicação até o bebé completar três meses. Muitos vendo o crescimento dos produtos da minha horta no quintal interessaram-se a fazer a horta nas suas casas. 

Obedientemente cumprindo com as orientações, vivenciei grandes mudanças que gostaria de partilhar: 

  • Quando comecei a fazer a prática do sonen  agradecendo pela purificação e  pedindo perdão por não entender a vontade de Deus, 4 dias depois, a minha vizinha, com qual não falava, de repente ouve mau entendido com seu esposo, este querendo violentamente bater nela, ela deixou todas as casas do quintal  correu até a minha casa, fiquei sem jeito apenas nos olhamos e começamos a falar e por coincidência veio uma equipa para orar na minha casa, junto com ela oramos e recebeu Johrei e a prática do sonen. Essa mesma vizinha vendo as várias mudanças também já preparou espaço para fazer a sua horta caseira. 
  • O meu marido que não queria ouvir ninguém e para ele a solução era eu sair da casa dele, de repente voltou a dar o sustento de casa, pouco a pouco passou a falar comigo, antes, todo tempo ficava na rua com os amigos só voltava  para  dormir, agora já para em casa e para aumentar a minha felicidade até ajuda nos trabalhos de casa, o que ele tinha deixado de fazer há muito tempo. 
  • Fazia tempo que não conseguia orar em casa, mas agora até o meu esposo já ora conosco, também despertei para a prática do donativo diário. 
  • No dia que fizemos a horta em casa, durante a preparação do canteiro, escavamos um embrulhozinho de pano vermelho, conhecido como (Juju) feitiço, quando o Missionário ministrou Johrei e pediu para colocar a flor e no fim queimar, uma vizinha viu aquilo enquanto estávamos distraídos ela tirou o mesmo embrulho e levou, num outro Juju man (quimbandeiro) para lhe prestar explicações. Dias depois, essa vizinha contou que aquilo era um feitiço enterrado para criar conflitos, ou matar alguém,  mas o kimbandeiro recusou indicar o responsável e dizer se o feitiço era para quem. 4 dias depois o filho dessa senhora de 2 anos caiu de um andar até ao chão numa altura de aproximadamente 10 metros, felizmente teve apenas pequenos ferimentos, está sã e salvo. A senhora disse que acredita que a horta teve haver com a proteção do seu filho, fazendo todos no quintal a acreditarem nisso. Agora mais de 6 famílias colhem produtos na minha horta, como também participam na manutenção da mesma. Essa vizinha está a obrigar o marido a remover uma viatura sucata no quintal  para ter espaço para fazer a sua horta. 

Confesso que apesar de ser messiânica, entendi que  tinha pouca convicção sobre essa prática mas senti  o valor dessa actividade, através da fé de alguém que nem é da nossa igreja. Com isso, aprendi que Meishu-Sama é o Messias, Salvador da humanidade.

Meu compromisso é me empenhar nas práticas básicas da nossa igreja e fazer as outras pessoas felizes.

Agradeço a Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados pela permissão que me concederam de conhecer este maravilhoso caminho da salvação.

A todos que partilharam comigo o presente relato de fé, os meus sinceros agradecimentos.

Muito obrigada.