ANA CELESTE ALBINO

JOHREI CENTER DA MULEMBA – LUANDA

Sou messiânica desde 2003 e actualmente dedico como responsável  do Johrei Center da Mulemba.40685698_921922291328767_3481078994932072448_n

No mês de Abril do ano em curso, a professora do Sanguetsu da Região Norte, visitou o Johrei Center  com objectivo de realizar a  vivência da flor com os fiéis. A primeira casa a ser visitada foi a minha casa, onde participaram todos elementos da família que estava presente. Mas, a professora notou que a minha filha estava com o semblante triste. Então, perguntou a ela se ministrava Johrei, se lia os Ensinamentos de Meishu-Sama, se estudava que classe e se foi outorgada por obrigação da mãe. Ela respondeu que não. Logo, ela desatou a chorar. Depois da oração, lembrei-me há algum tempo atrás apareceu um rapaz que gostava dela. Mas, eu não aceitei tendo em conta a postura do rapaz e que talvez fosse o motivo que a minha filha andava triste e solitária.

Assim sendo, a professora orientou-me a pedir-lhe perdão e ao espírito do pretendente da minha filha, que partiu para o Mundo Espiritual.

Desta feita, cada um dos presentes recebeu o seu vaso com as flores e fez a reflexão profunda durante a aula, agradecendo ao Supremo Deus e Messias Meishu-Sama pela família que nos concedeu de presente. Para minha surpresa, assim que terminou a aula, o semblante da minha filha mudou e notou-se alegria em seu rosto, e a partir daquela data começou a participar nas dedicações juvenis, ler os Ensinamentos, ministrar Johrei e adornar a casa com flor. Ela que não conseguia acompanhar ninguém, actualmente cuida de uma casa de frequentadora.

Deste modo, o meu pedido especial foi para o meu primeiro filho que partiu para o Mundo Espiritual no sentido de ajudar-me a despertar o seu pai e os seus irmãos para a nossa missão espiritual através da flor que ia entregar ao meu esposo. Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama, assim que ele chegou à casa ofereci-lhe o vaso. Surpreso recebeu com agrado e perguntou-me quando é que ele iria retribuir o gesto. Respondi-lhe que vamos agradecer a Deus e Meishu-Sama. É assim que no domingo seguinte foi à Igreja. Neste dia não houve aula da flor, mas sim, aprimoramento relacionado com a responsabilidade que temos com os nossos antepassados. De realçar, que o aprimoramento fez com que lhe tocasse o coração ao ponto dele próprio, comprar flores para distribuir as outras pessoas e falar da sua outorga.

No dia seguinte, dando continuidade com a vivência da flor nos lares dos fiéis, juntamente com uma dedicante do Sanguetsu, fizemos visita na casa de um encarregado. Este por sua vez convidou a sua filha e os seus empregados que fazem parte de uma outra religião, para participarem da vivência da flor.

A filha do encarregado ficou emocionada com a vivência. A partir daquele dia, começou a fazer a mesma prática em sua casa e na casa de suas amigas, falando-lhes da importância da flor nos nossos lares. Neste momento a mesma recebe Johrei e está a praticar a arte da vivência da flor com muita gratidão.

Uma das empregadas disse-lhe que quando a sua mãe ficava internada no hospital, sonhava sempre com flores. Ao sair do hospital, a filha semeou flores em sua casa, mas sem importância nenhuma. A partir daquele dia, a mesma compreendeu a importância da flor em nossas vidas.

Para agradecer estas todas ocorrências através da aula da vivência da flor nos lares dos fiéis, materializei um donativo especial.

Meu compromisso é empenhar-me cada vez mais na expansão do Johrei Center e formar uma equipa coesa, a fim de ganharmos a permissão de realizar a vivência da flor em outros lares.

Por permissão de Deus e Messias Meishu-Sama já encaminhei duzentas pessoas das quais cento e dezanove são membros, faço dízimo, donativo de construção, donativo diário, tenho horta caseira, cuido de doze casas de encarregados, quatro casas de frequentadores num total de quinze encarregados e trinta e um frequentadores.

Agradeço ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus Antepassados pela permissão de conhecer este maravilhoso caminho da salvação. De modo especial a minha gratidão a minha mãe espiritual Antónia Tchopelonga.

Ao Reverendo, Ministros, Responsáveis, Membros e Frequentadores que directa ou indirectamente têm contribuído para o meu crescimento espiritual, a minha eterna gratidão.