Chamo-me Linda Armindo da Costa Carneiro, Untitledtenho 38 anos de idade, sou Missionária dedico na Sede Central de África, como Professora Assistente de Ikebana.

Conheci a Igreja Messiânica Mundial em 2003, através de um sonho que tive com meu tio que já se encontra no Mundo Espiritual, onde ele apareceu dizendo que vinha a minha busca para conhecer um lugar. Fomos ao referido lugar, que era o Pólo Agrícola de Bom Jesus, onde fomos recebidos por dois japoneses e ofereceram-me uma Ikebana. No dia seguinte, resolvi procurar a Igreja que oferecia flores. É de salientar que antes já recebia flores e era cuidada por um membro, mas nunca quis frequentar a Igreja.

Os motivos que me levaram a conhecer a Igreja foram mortes constantes na família, principalmente por acidentes, conflitos, desemprego e pobreza. Mas o maior sofrimento era ver a minha mãe afundar-se através do álcool, pondo-lhe desfigurada. Vendia tudo e ninguém podia ficar em casa, pois parecia que tinha fogo, ficava às vezes incorporada o dia todo. Essa situação levou muitos anos. Tudo começou quando destruíram uma capelinha que tínhamos, onde havia santos. Partiram e queimaram a mesma com os respectivos santos na companhia de um primo de meus pais, que pertencia a uma determinada relegião, esquecendo-se que a capela completa veio dos meus ancestrais paternos, passando de geração a geração até ao meu pai.

Depois de destruí-la o inferno começou, minha mãe começou a beber e a vender tudo, conflitos fortes surgiram na família, o meu pai morreu de acidente, a sáude da minha mãe piorou, os meus tios e irmãos morreram de acidente e até tive tios que morreram embriagados. Foi este calvário que me levou a conhecer e a buscar o Deus de que tanto falavam. Esse sofrimento durou quase 20 anos. Para solucionar todos estes problemas, passamos por vários quimbandeiros, onde gastamos muitos valores monetários, produtos, etc.

No Johrei Center do Futungo, fui recebida pelo plantonista, que me orientou o seguinte:

  • Receber 10 Johrei por dia,
  • Participar dos Cultos,
  • Participar da limpeza da nave e também participar das marchas e manter a flor de Luz em casa.

            Pratiquei sem dificuldades, depois de um mês, muita coisa mudou.  Minha mãe veio da província do Kwanza Sul e encaminhei-a à Igreja, onde começou a receber bastante Johrei e purificou muito. Assim, foi perdendo a vontade de consumir álcool, até que chegou uma altura que parou definitivamente. Hoje é uma pessoa diferente, é aquela mãe de antes. O amor por ela voltou a dobrar, coisa que há muito não sentia por ela. Minha família está a converter-se, buscando Deus e Meishu-Sama, estão a prosperar bastante e hoje há união entre nós.

Só pude ultrapassar tudo isso graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama, com o Johrei, Flor e dedicações.

Para retribuir todas essas graças, tornei-me membro para melhor servir.

A experiência de fé que passo aos senhores está relacionada a força da flor e da horta caseira.

O primeiro dia em que fui ao Johrei Center do Futungo, o Ministro, na altura Responsável, pôs-me a dedicar no Sanguetsu mas recusei sem saber o que era e pedi que procurasse outra pessoa, pois era o meu primeiro dia lá. Insistiu dizendo:

– A irmã é a nova encarregada do Sanguetsu desta unidade a partir de hoje.

Assim, deu-me as primeiras aulas e em seguida apresentou-me a professora, desta forma começou o meu percurso no Sanguetsu.

Tive várias experiências de fé com a flor. É de salientar que desde criança fui muito esquisita e não gostava de crianças, nem as segurava, sentia uma sensação de nojo. Nem tinha amor por elas. Pensava que tivesse amor pelos meus irmãos e meus filhos, até que fui orientada a visitar o hospital pediátrico, onde encontrei muitas crianças recém nascidas nos cuidados intensivos, em estado grave. Ministrava-lhes Johrei a chorar, dizendo: “Meishu-Sama, é tanto sofrimento, mesmo já depois de nascerem. Se pudesse, queria dividir este sofrimento com elas”. Nesse hospital encontrei uma menina de 10 anos com tétano, muito grave, a mesma disse-me o seguinte:

– Só hoje! Estou a tua espera há um mês.

De salientar que não a conhecia, nem a tinha visto de lado nenhum. Cuidei dela com Johrei, flores, oração e em uma semana teve alta. Graças a esta menina, começou a nascer dentro de mim amor por outras crianças, nasceu este sentimento tão nobre (amor, que na verdade eu não tinha pelos meus filhos).

Hoje, amo meus filhos com todo meu coração. Já não sinto aquela sensação de nojo que tinha por outras crianças. Seguro-as, brinco e ponho-as ao colo.

Durante a marcha no hospital, ouviam-se gritos de uma mãe que havia perdido a sua filha. Ofereci-lhe a flor e pedi-lhe para fazermos oração. Ela recusou dizendo que tinha que fazer a oração na filha que estava morta. Insisti e fizemos juntas a oração. Antes de terminar a prática do sonen, a filha começou a tossir e ouviam-se gritos de outros doentes a dizer: “Acordou, acordou!”. A mãe entrou a correr e gritava de alegria. Assim, falei-lhe sobre a gratidão e a mãe fez o donativo, dizendo que era o único que tinha. Aconselhei-a a procurar a Igreja Messiânica mais próxima de sua casa.

Há um mês atrás tive óbito de um primo. Comprei flores com o Sonen de fazer a Ikebana no local. Assim, confeccionei a Ikebana diante de todos,  pedindo a Meishu-Sama: “Messias Meishu-Sama, muita gente diz que a flor da nossa igreja tem magia. Por favor, mostre para eles que isso não é verdade.” Assim, dei conta que todos estavam atentos a observar. Um primo que também lá estava, chamado Adão, recebeu uma chamada de sua casa, pedindo que ele fosse para lá com urgência, pois havia um senhor caído por cima de seu tecto,  desde as 2 horas da manhã. Posto lá, encontrou o senhor amarrado pelos vizinhos. O mesmo dizia que a missão que lhe levou àquele local foi de matar o meu primo. Mas quando chegou em direcção a sua casa, uma luz forte encadeou-lhe e não aguentando, caiu. continuou dizendo:

– Como não consegui te matar, eu é que serei morto, pois vim do Kwando Kubango com essa missão.

 Assim, graças ao contacto com a flor, o meu primo foi protegido.

Com a Horta Caseira, encaminhei várias pessoas oferecendo os produtos naturais.

Com o meu filho primogênito, tenho tido várias purificações. Por não entender, eu não agradecia. Com o recebimento da Imagem de Kannon, aceleraram-se as purificações, pois o seu comportamento agressivo era igual a de seu pai, já falecido e muitas vezes até a sua fisionomia e voz eram iguais. Foram tantas as purificações que cheguei a ficar desesperada.

Recebi a orientação para fazer a Prática do Sonen com donativo, agradecendo por tudo o que ele fazia, cuidar do espírito do seu pai  como nunca tinha feito. Consegui reflectir que havia transferido para ele tudo o que sofri com o seu pai. Pedi perdão e agradeci por ele existir, tomando a decisão de amá-lo ainda mais. Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama, ele mudou! Dedica na horta caseira, com a flor e já começou a trabalhar.

Aprendi que quando praticamos as orientações, os antepassados recebem luz e se elevam. Aprendi também que Meishu-Sama é o Messias esperado pela humanidade e que nós aprimoramos nos pontos que precisamos limpar. Hoje, a flor e a horta caseira fazem parte da minha vida.

Comprometo-me em levar o Messias e as três colunas da salvação à Humanidade, mergulhando na dor e no sofrimento de outras pessoas.

Actualmente cuido do Sanguetsu de 07 Johrei Centers e seus respectivos Núcleos, encaminhei mais de 200 pessoas e formei 20 membros. Tenho a horta caseira, a flor de luz em casa, a minha filha tornou-se aluna de Ikebana e praticamos o Johrei em casa diariamente. Realmente a flor mudou a minha vida.

Agradeço a Deus, ao Messias Meishu-Sama por me terem escolhido para participar da Sua Grandiosa Obra de Salvação, junto com meus antepassados.

Muito obrigada!