Chamo-me Aníbal Leonardo,  46467789_197339334502372_5179656445020340224_ndedico como auxiliar da liturgia do Núcleo de Johrei de São José.

A experiência de fé que passo a relatar está relacionada ao donativo de gratidão e obediência às orientações.

Consegui um emprego novo, quando recebi o primeiro salário, materializei um donativo especial de construção. Um mês depois, a minha esposa também ingressou na fé messiânica e passamos a dedicar juntos.

Tempos depois, cai no apego e parei de dedicar, quando recebia o salário, não fazia donativo. O meu orientador notou a minha ausência, procurou-me para saber o motivo. Respondi que estava a trabalhar e que só tinha tempo aos domingos, este lembrou-me que tinha que fazer o dizimo e o donativo de construção. Mas, quando recebi o salário gastei o dinheiro com bebida. Três dias depois, começou a surgir conflito com o meu patrão, o meu salário que era 2 vezes por semana, passou a atrasar de 2 em 2 meses e quando recebia não vinha completo. Por este motivo, os colegas reclamavam, mas o patrão dizia que o pior ainda estava por vir.  Dias depois, comunicaram-nos que haveriam de rescindir os nossos contratos devido a crise. Naquele instante, lembrei-me de Deus e do Messias Meishu-Sama.

Em casa reflectia se regressasse a igreja ou não. Aborrecida, minha esposa olhou para mim e disse:

Foi você que me mostrou este caminho da salvação, agora estás sentado em casa. Porque?

 Reflecti sobre o que minha esposa dissera e decidi voltar a dedicar.

Depois de algum tempo, o patrão decidiu me contratar novamente como responsável da equipa de trabalho, aceitei e voltei a trabalhar com compromisso de fazer os donativos correctamente.

No primeiro mês, fiz e tudo corria bem, mas no segundo quando recebi o salário decidi não fazer, dando prioridade à outras coisas. Fui visitar a minha ex-namorada onde passei a noite. Dia seguinte, de regresso a casa, fiquei pensando em como seria recebido pela minha esposa. Não encontrei-a em casa. Questionando onde ela estava, Soube que tinha ido à igreja. A noite encontrei-a, saudei e ela respondeu como se nada tivesse acontecido. Surpreendido e com muito medo, pois não esperava tal atitude. Ela olhou para mim e disse:

Não se preocupe, expliquei o sucedido ao responsável e ele orientou-me a agradecer pois eram minhas maculas.

Aquelas palavras me puseram a reflectir e algo me dizia que a minha vida não estava bem. Foi então que firmei um novo compromisso de voltar a dedicar na Obra Divina e aprofundar nos Ensinamentos de Meishu-Sama.

Voltei as dedicações com mais força e depois de algum tempo comecei a sentir-me diferente. Despertando a vontade de tornar-me membro e comecei a juntar o donativo para outorga. Graças a Deus recebi o Ohikari no mês de Agosto do corrente ano.

Com esta experiência, aprendi que o apego não pode fazer parte da nossa vida e que os donativos salvam e protegem.

Com a permissão do Supremo Deus e do Messias Meishu-Sama encaminhei 15 pessoas, das quais 4 tornaram-se frequentadores, 3 são candidatos a próxima outorga, tenho a horta caseira, faço dízimo, e peregrino aos locais de maior luz.

Agradeço ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados pela permissão de me conduzirem a este maravilhoso caminho da salvação.

Aos ministros, responsáveis, membros, frequentadores e a todos que têm contribuído para o meu crescimento espiritual a minha eterna gratidão.

Muito obrigado.