Chamo-me Natália Ndua Jorge, 46507928_2460638613965297_5395973946057162752_nconheci a IMMA em 2015, por intermédio da senhora Juliana Cristóvão Sebastião, membro da nossa Igreja.

Os motivos que me levaram a conhecer a igreja foram conflitos conjugais e consumo excessivo de bebidas alcoólicas, gerando a separação com meu esposo.

Relativamente ao conflito, tudo começou devido a minha irresponsabilidade no lar. Antes de conhecer a Igreja, fazia uso de bebidas alcóolicas e todas as vezes que meu esposo dava dinheiro para manutenção da casa, eu subtraia certa quantia, afim de conviver com as minhas amigas.

De realçar que saía de manhã e só voltava a noite, o que deixava o meu esposo muito triste e furioso. Mesmo assim sempre que ele me aconselhasse, eu dava resposta, o que o deixava ainda mais irritado.

Minhas cunhadas insatisfeitas com o meu comportamento, me acusavam de ter dado algum medicamento ao meu marido que o deixou burro. Isto gerou outro conflito, entre eu e elas. Elas diziam que o meu esposo não soube escolher mulher. Este conflito durou muito tempo e que resultou em separação. Nesta altura, a irmã Ju, já acompanhava de perto todo meu sofrimento, me falava da Igreja Messiânica e dos seus milagres, em resposta dizia:

Vizinha, já tenho muitos problemas, para ter que ir mais a igreja.

Mesmo assim, ela não parou de convidar-me até que um dia de Culto de Gratidão Mensal, voltou a convidar-me. Aceitei e neste dia ela levou-me a Sede Central. Posteriormente, fui encaminhada ao Johrei Center, onde fui recebida pelo plantonista, que após ouvir-me atentamente, orientou as práticas básicas da fé. Em pouco tempo de frequência, fui agraciada com um emprego, facto que me deixou feliz e a medida que ia dedicando, fui perdendo o gosto pela bebida, diminuído consideravelmente o consumo. Na altura, para retribuir as graças recebidas, materializei um donativo especial.

A experiência de fé a seguir, está relacionada com o sentimento sincero e o poder do Johrei.

Depois de tantas graças do Messias Meishu-Sama, deixei de dedicar. Como resultado, repurifiquei com conflito no lar, ao ponto de meu esposo mandar-me sair de casa. Naquela altura, encontrava-me gravida e passei a residir na casa da minha tia, em vitrona, durante dois anos.

Neste período, meu esposo ligava-me quase sempre com objectivo de mandar o devido sustento para os meus filhos, mas quando fosse buscar os valores, ele me atendia na rua, mandado-me embora ainda que fosse tarde, sem se importar com os riscos.

No dia 11 do mês em curso, como sempre ligou para mim, afim de ir buscar o dinheiro para as crianças, assim que cheguei deparei-me com a irmã Ju sentada no quintal. Dirigi-me até ela, sentei e comecei a desabafar todo sofrimento que estava a carregar, dizendo:

Mana Ju, não aguento mais, não sei o que fazer com tanto sofrimento, nem sequer sei para onde ir com as crianças. Na casa onde estou a dona vai viajar. Neste momento estou sem rumo. O meu bebé já tem dois anos de idade, confesso que de tanto sofrimento estou a pensar em suicidar-me.

Curiosamente a irmã, a medida que eu relatava o meu sofrimento apenas ministrava-me Johrei, notava nela uma postura diferente.

No final da nossa conversa, a irmã aconselhou-me a agradecer tudo que estava a passar e pediu para não responder nenhuma palavra do meu marido. Para minha surpresa, naquele dia, o mesmo deixou-me entrar em casa, pela primeira vez, desde que nos separamos.

Admirada, eu não dizia nada e não discutimos, ainda por cima deixou-me passar a noite em casa. Na manhã seguinte, enquanto me preparava para ir embora, ele disse:

Tu já não vais para vitrona. Vais permanecer aqui em casa. Os meus filhos não podem continuar a sofrer desnecessariamente, e também, quero conversar com a tua família, para avisar que já não voltas para lá.

Fiquei bastante admirada. Assim voltei a viver, em minha própria casa, graças ao Johrei. Como gratidão materializei um donativo especial de gratidão.

Aprendi com esta experiência que o Johrei é realmente a medicina do século XXI.

Encaminhei duas pessoas a Igreja, meu compromisso é continuar a dedicar e  tornar-me membro para melhor servir a Obra Divina.

Agradeço ao supremo Deus Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados, em especial a irmã Juliana Sebastião que serviram de ponte para o meu encaminhamento e a todos que têm contribuído para o meu crescimento espiritual.

Muito obrigado.