Chamo-me Claudio Luís Bento Camenha, 48376439_270290130321527_8280947330396454912_ntenho 30 anos de idade, sou membro e dedico como assistente da Liturgia, do Johrei Center do Futungo.

Conheci a Igreja Messiânica Mundial em 2005, por intermédio da minha tia, Emiliana Sacutchama, membro.

Os motivos que estiveram na base do meu encaminhamento foram doenças e conflito familiar.

Em relação à doença, sofri de cabeça aberta e insónia durante 14 anos. Na busca de melhorias, frequentei hospitais, casas de tratamentos tradicionais e igrejas espíritas, gastando somas avultadas em dinheiro, mas sem solução.

Realço que chegou um momento em que fiquei desesperado e pensei em me suicidar, porque a dor de cabeça não me possibilitava enxergar, criava-me dificuldades para estudar. Aos 15 anos de idade, como não conseguia enfrentar a clareza do dia, ficava dentro de casa o dia completo e quando tivesse que sair cobria os olhos com um pano preto.

Com relação ao conflito, tudo começou quando a minha irmã mais nova partiu para o Mundo Espiritual, na altura como o meu pai se encontrava no Município da Gabela, Província do Cuanza Sul, quando lhe comunicaram, ele alegou dizendo: “Os meus filhos não morrem.” e acabou por não aparecer no óbito. A partir daí nos abandonou para sempre. Com isso, passei a alimentar mágoa e ódio pelo meu pai.

Em 2005, no óbito do meu tio paterno mesmo com pano amarrado nos olhos fiquei sentado em um lugar acompanhando tudo, foi assim que pela primeira vez a família do meu pai se apercebeu da minha existência. No mesmo dia, a minha tia compadecida com meu sofrimento, pediu a minha mãe se podia levar-me ao Sumbe, a fim de fazer tratamento numa clínica. Em sua casa, ministrou-me Johrei e pela primeira vez dormi muito bem. No dia seguinte, levou-me ao Johrei Center onde fui recebido pelo plantonista que ouviu-me atentamente e orientou as práticas básicas da igreja.

Cumpri as orientações com algumas dificuldades porque na altura não sabia ler, mesmo assim em apenas 2 meses o sofrimento que tanto me assolava foi ultrapassado, me harmonizei com meu pai e ganhei a permissão de ter uma casa oferecida por ele. No ano seguinte, pela primeira vez, comecei a frequentar a escola e como gratidão me tornei membro em 2007 para melhor servir a Obra Divina.

A experiência de fé a seguir está relacionada com a vivência da flor e limpeza nas casas.

Com base nas orientações do Reverendo Claudio Cristiano Leal Pinheiro, em fazer vivência de flor nas casas como preparação para o Culto às Almas dos Antepassados, no mês de Setembro, decidi colocar em prática e em pouco tempo vivenciei os seguintes milagres:

  1. Uma membro que estava desempregada durante 9 anos, após a limpeza e vivência da flor em sua casa, ganhou a permissão de ser chamada numa empresa onde já está a trabalhar como secretária.
  2. O esposo de uma membro, tinha sido despedido da empresa, após a vivência da flor em sua casa, no dia seguinte o chefe ligou-lhe para voltar a trabalhar.
  3. A minha irmã ganhou uma casa no Bairro Kifica que lhe foi ofertada pela sua patroa.

Com estas experiências de fé, aprendi que Meishu-Sama é o Messias esperado pela humanidade, que a vivência clareia o Mundo Espiritual e muda o rumo das nossas vidas.

Meu compromisso é continuar a praticar as orientações com obediência, encaminhar o maior número de pessoas a fé.

Faço o dizimo, donativo de construção, peregrino aos locais de maior luz, encaminhei 78 pessoas, das quais 13 tornaram-se membros. Cuido de 2 casas de membros com 5 pessoas.

Agradeço ao Supremo Deus, ao Messias Meishu-Sama e aos meus antepassados. Em especial, agradeço a minha tia Emiliana Sacutchama pela permissão que  teve ao ser utilizada como instrumento para o meu encaminhamento.

Aos ministros, responsáveis, missionários, membros e frequentadores que directa ou indirectamente, têm ajudado para o meu crescimento espiritual, muito obrigado.