Chamo-me Josefa Manuel Quifeta Chiuale, experiencia de fetenho 36 anos de idade, sou membro e dedico como encarregada do grupo terra do Johrei Center do Futungo.

Conheci a igreja Messiânica Mundial de Angola em 2007, por intermédio da irmã Polónia Matoso, membro e dedicante desta igreja.

O motivo que levou-me a conhecer a igreja foram conflitos conjugais com o meu ex-marido.

Tudo começou em 1998, quando começamos a viver, após termos a primeira filha, ficamos sem condições de continuar a pagar renda. Vendo isto, meus pais convidaram-nos para viver em casa deles, até que conseguíssemos um espaço, graças a Deus dois anos depois conseguimos.

Tivemos mais um filho, ele prontificou-se em fazer o alambamento, tempo depois, fomos para nossa casa. Como meu pai notou os maus comportamentos dele, meus pais e irmãos, não nos visitavam, das vezes que eles nos procuraram, ele ficou revoltado, ao ponto de bater-me. Mesmo assim, insisti e vivi com ele durante quatro anos.

Minha sogra observava o mau comportamento do filho, chamou-o, junto da irmã na minha presença e disse:

Essa senhora é uma grande mulher, o dia que ela te deixar, não vais encontrar outra, que aceite o que fazes com ela.

Dia seguinte, minha sogra, faleceu. Após algum tempo, ele saiu de Benguela para Luanda em missão de serviço, deixando-me na responsabilidade dos irmãos, um mês depois vim para Luanda, com os filhos.

Certo dia, meu irmão que sofria de epilepsia caiu no meio da rua, a irmã Polónia ministrou-lhe Johrei, em seguida levou-lhe para casa dos meus pais, por coincidência eu estava lá e recebi Johrei. No final, senti um alívio e relatei o meu sofrimento, em seguida convidou-me a frequentar a igreja, mas rejeitei, sempre que a visse, fugia para não receber Johrei. Como os problemas aceleraram, decidi procurar a igreja, onde fui recebida pelo plantonista que atentamente ouviu o relato dos meus sofrimentos, e orientou-me o seguinte:

  • Receber 10 Johrei por dia;
  • Manter a flor de luz em casa;
  • Fazer limpeza na nave e no banheiro;
  • Peregrinar aos locais de maior luz;
  • Participar das marchas e nos cultos.

Não tive dificuldades em cumprir com as orientações, despertando em mim o desejo de me tornar membro, para ministrar Johrei ao meu irmão e em outras pessoas, foi então que fiz o donativo de ingresso na fé e de outorga, em 2007 me tornei membro.

Mesmo sendo membro os conflitos com o meu ex-marido aceleraram. Tempo depois, meu pai partiu para o Mundo Espiritual, sai da casa do meu esposo naquela altura, a responsável orientou-me, a voltar na casa do mesmo. Regressei, após alguns dias a nossa casa pegou fogo, menos o retrato e os meus filhos dentro não tiveram nenhuma lesão. Graças a Deus, de noite sonhei com meu pai que dizia não poderia voltar em casa, entendi que era um aviso, despertei e fiquei a reflectir, foi então que decidi voltar para casa da minha mãe com os meus filhos, sem pensar no que poderia acontecer.

Tive muitas dificuldades, mas permaneci na casa dos meus pais, onde sonhei novamente com meu pai, consolando-me. Dias depois, uma amiga arranjou-me um emprego.

Apareceu-me um senhor que pediu para conhecer os meus pais mas, não acreditei, chamei ele de maluco, em resposta disse que os messiânicos não se comportavam assim.

De regresso a casa, fui pensado no que ele disse sobre conhecer meus pais, e decidi conhece-lo melhor, e quando menos esperava estava a ama-lo. Após alguns meses fez os deveres e posteriormente casamos pelo civil e igreja.

A experiência de fé que passo a relatar, está relacionada com a distribuição de flores, donativo especial de construção do Solo Sagrado de Cacuaco.

Em 2014, após ter meu bebé, a menstruação não parava durante 8 meses. Preocupada, fui ao hospital, onde fui diagnosticada quisto e mioma. O Médico admirado, perguntou como foi possível ter o bebé, com aquele problema. Respondi que recebia apenas Johrei e bebia  muita água, foi então que ele marcou a operação.

Expliquei o sucedido a responsável, que orientou-me a aprofundar nas práticas básicas e fazer donativo especial da construção do Solo Sagrado de Cacuaco, antes da operação.

No dia da operação, minutos depois de começar, teve um corte de energia, apercebi-me porque foi uma anestesia local. Fiquei preocupada, fiz a oração Amatsu-Norito, o Doctor continuou a operação na escuridão. Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama tudo correu bem, fui levada para sala de visitas, em menos de 30 minutos consegui me colocar em pé, enquanto que as senhoras que foram operadas antes, não conseguiam. Em seguida, entraram algumas missionarias de Caxito que distribuíram flores, após as senhoras saírem, sentiram-se bem. Dia seguinte, nos deram alta, hoje me encontro bem graças a Deus, sem quisto nem mioma. Com esse milagre fiz um donativo de gratidão.

Com esta experiência de fé aprendi, que quando enfrentamos uma purificação, seja ela qual for, precisamos agradecer entregando nas mãos de Deus e Meishu-Sama, porque ele é o comando de tudo.

Meu compromisso é de me empenhar nas práticas básicas da nossa igreja, encaminhar o maior número de pessoas ao caminho da salvação e cuidar delas. Tenho a Imagem de Kannon, faço dízimo, donativo de construção, peregrino aos locais de maior luz da nossa Igreja, encaminhei cem pessoas, das quais oito tornaram-se membro. Cuido de uma casa de membro, uma de frequentador num total de quatro pessoas.

Agradeço a Deus ao Messias Meishu-Sama, pela permissão de terem utilizado a irmã Polónia Matoso como instrumento para o meu ingresso a este grandioso caminho da salvação.

Aos ministros, responsáveis, membros e frequentadores os meus sinceros agradecimentos.

Muito obrigado.